Se esta é a sua primeira vez neste blog leia na coluna da direita as instruções!

17 de nov de 2008

Vovó Idalina

Ela esteve aqui.
Foi uma passagem longa, de anos nada curtos, mas acho que queria ficar.
O tempo foi remoendo seus ossos, estancando os movimentos e mesmo a alma tão dançarina, tão risonha, sentiu-se em um prisão. A prisão de um corpo esguio, de uma pele macia e flácida. Ela já tinha sido muito flexível, adorava exibir a posição dos braços alongados nas costas. Agora sentia dor.
Ela amava a natureza. Flores com perfume que se espalhava pela casa. Mas o seu perfume tinha cheiro de café. Gostava de regar as plantinhas até vê-las florescer. Gostava de vasos com terra fértil para enfeitar o quintal da casa.
Lembro-me do quanto gostava de animais, gatos, chegou a criar bicho-preguiça. Mas eu não tinha nascido ainda. Só participei da fase dos gatos. Combinavam com ela. Manhosa, doce...
As suas histórias contavam sobre o sofrimento. Resmungava bastante. A velhice também lhe trouxera a leveza de sorrir, a sensibilidade de tocar e fazer carinho na face de quem a visitasse. Os olhos já estavam traiçoeiros, não enxergavam mais as mesmas imagens. Os ouvidos também estavam se poupando do barulho. Somente os gritos ela podia escutar. Em uma madrugada minha vozinha despediu-se da Terra. Fazia dias, semanas, que ela estava distante em seu olhar recluso da vida...
Idalina, uma rosa cristalina, uma mulher menina, "um coração de ouro, de esmeralda, de diamante"* a minha avó.
*Ela me chamava assim quando falava comigo ao telefone, eu retribuía da mesma forma, assim juntas criávamos jóias, das mais valiosas, para ilustrar o coração que batia em nosso peito.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...