Se esta é a sua primeira vez neste blog leia na coluna da direita as instruções!

30 de abr de 2008

Viagem

Vai viajar?
Para dentro de si ou para fora de si?
Para longe ou para perto?
Com quem fica ou com quem vai?
Saindo do lugar ou sem mover-se?
Para onde se espera ou para onde não esperava ir?
Para onde é esperado ou para o inesperado?
Sem lenço, sem documento ou com grande bagagem?
Afinal, qual será sua viagem?

Compartilhar

Não tem nada mais delicioso que receber comentários...

Saber que temos um relacionamento, mesmo anônimo, mesmo distante, entretanto nem um pouco frio (aliás, muito quente, mesmo quando está frio como hoje)... Estou até agora emocionada e tentando entender o que aconteceu nesses posts recentes. Quando escrevi "O que é fácil?" eu tinha acabado de tentar desabafar com as pessoas que mais amo e não as encontrei disponíveis naquele momento... Abri o blog e desabafei aqui. De um jeito pouco literário (penso eu), pouco ético e discreto (talvez), mas foi um desabafo, sem correção, sem pensar. Não imaginava que isso pudesse tocar vocês. Vocês que me lêem, que me visitam, que me acompanham. Até agora estou impressionada que isso tenha acontecido. É algo simples alguém nos visitar, ler o que escrevemos, se manifestar, mas não tem nada de simples e comum o que isso me causou... Sinto um alegria imensa, um espanto bom, uma surpresa, e também uma responsabilidade (que assumo por sentir que cativei alguma atenção, e o Pequeno Príncipe me ensinou que somos responsáveis pelo que cativamos).



Espero que esse relacionamento continue, que eu possa sentir outras vezes que não estou só. Que eu possa conhecer um pouquinho e adentrar um instante em cada mundo que se impõe nesse meu mundo (o blog). Quero compartilhar mais com vocês!



Beijos de luz,



Aline***

29 de abr de 2008

Pacto com a felicidade

Desculpem-me o desabafo. Blog não é lugar de desabafar... Também não quero passar a impressão de que estou reclamando ou criticando a vida. Muito pelo contrário, eu só agradeço e reverencio a vida.
Tenho um pacto com a felicidade.

O que é fácil?

As coisas para mim sempre vieram fácil. Mas nem sempre é fácil quando tudo vem fácil. As pessoas esperam mais da gente e estamos menos preparados. Quando as coisas vem difíceis as dificuldades nos preparam, mas quando tudo vem fácil olham para nós como se já soubéssemos, como se já tivéssemos aprendido, sendo que há coisas que só a dificuldade e o tempo ensinam. Carrego esse peso, de não ter sofrido tudo que deveria, ou poderia. De sofrer o preconceito por não ter sofrido. De ser vista como fraca, frágil e incapaz só porque a vida ainda não testou a minha força.

Mesmo aparentemente tendo tudo (de material, de superficial) eu sofri muito para ter coisas extremamente simples, entretanto imensamente mais importantes. Eu sofri para ter amigos, sofri (e sofro ainda) para ter amor. Nem tudo foi fácil, até porque nem tudo é fácil... As pessoas me olham sem me conhecer, sem saber o que sinto por dentro, o que sou por dentro. Tão semelhante... Mais semelhante do que pareço ser.

Não é porque algumas coisas vieram fácil que não tenho o direito de desejar outras. De querer mais. Não é porque me acomodo em algumas situações que eu sou assim. Tenho minhas fraquezas, meus defeitos e imperfeições. A vida exigiu pouco de mim, não precisei lutar por um lugar que já era meu. Mas todas as vezes que fui exigida, requisitada considero que dei conta do recado. Eu não falhei, não decepcionei. Não é justo que seja julgada porque as coisas vieram fáceis. Aliás, pensando bem, não foi tão fácil assim...

28 de abr de 2008

Indicação

Junior me pediu tantas vezes e tão carinhosamente para que divulgasse: http://forumdemulheresdofuturo.zip.net/arch2008-04-01_2008-04-30.html#2008_04-18_21_19_37-128848119-0 que foi impossível recusar...

Reunião de pais

Sexta-feira passada foi a Reunião de Pais do colégio. Pela manhã falei para mais de 200 pais (chutando baixo). Esta é uma das coisas que mais gosto de fazer no meu trabalho: deixar alguma mensagem positiva para as pessoas. Sinto uma energia boa quando cumpro essa missão que eu mesma me propus.

Dia da Educação

Hoje é dia da educação. Esta é minha área! Não só de trabalho, mas área do coração, da paixão...

Calligaris comenta O Signo da Cidade

No link abaixo é possível conferir o blog do filme e a coluna que Contardo Calligaris escreveu:

O Signo da Cidade: Contardo Calligaris escreveu sobre O Signo da ...

O Signo da Cidade

Acabei de assistir ao filme da Bruna Lombardi O Signo da Cidade - O Filme. Adorei!
Lembrou-me "Crash - No Limite" pela teia de histórias interligadas que acontecem na mesma cidade. Crash tinha como cenário Los Angeles. O Signo da Cidade retrata São Paulo.

Minha mãe sempre foi fã da Bruna. Ela teve um programa de entrevistas. Lembro que na época minha mãe gravava para assistir várias vezes. A artista era - e é - uma referência de mulher bela, charmosa, conservada (enxuta!) e inteligente. Bruna é poetisa, escritora e, no caso do filme, produtora e roteirista. O marido, Carlos Alberto Ricelli faz a direção e o filho do casal atua em seu primeiro personagem cinematográfico nesta película da família.

Em certo trecho do filme vejo um rosto e ouço uma voz conhecida. Meu primeiro professor de teatro aparece na tela: Marcelo Lazzaratto. Se não estivesse no cinema ligaria para minhas irmãs na hora. Elas também foram alunas dele.

A cena final me deixou arrepiada por um motivo que não posso explicar bem, não é nada demais, entretanto mesmo assim eu gostei.

A história de uma astróloga que atende ligações em um programa de rádio é mágica. Imaginar que os destinos das pessoas estão cruzados, como as estrelas que cruzam o céu, é lúdico e romântico. Ainda assim o filme é realista, mostrando com sensibilidade o preconceito e a violência urbana.

26 de abr de 2008

Você tem dois olhos?

Ok! Encontrei ocorrência anterior a minha da frase: "Em terra de cego quem tem olho é deficiente". Não posso cobrar a autoria, mas posso compartilhar a genialidade de Stephen Kanitz neste artigo sobre o assunto: Em Terra de Cego

Em terra de cego...

Em terra de cego quem tem olho é deficiente.
(Aline Ahmad)

Reflita à respeito!

P.S.: Frase de minha autoria, pode copiar mas coloque créditos.

25 de abr de 2008

Créditos

Foto abaixo tirada no litoral norte de São Paulo. O nome dele é Eduardo Vela.

Mar

Ele me disse que não escrevi sobre ele, que não falo sobre ele, que não tem foto dele aqui. Mas isso não é verdade. Ele é quase um pontinho solitário no mar. Entre a montanha e a espuma. Sobre a prancha, sob o céu.
Alguém que me traz um raio de sol quando me abraça e sorri. Ele está lá ao longe, tão pequeno quanto grandioso, com sua inteligência, que rivaliza sempre com a minha. Com sua habilidade física, que brilha sozinha.

Escritos vulneráveis

Acho que não tenho um estilo próprio. Um jeito de escrever que seja só meu. Sou influenciável e, consequentemente, influenciada por tudo que leio, por tudo que escuto, por tudo que vejo. Claro que tenho preferência por escrever textos poéticos e romanceados, mensagens positivas, mas meu estilo literário varia demais. Cada vez que visito um bom blog de algum de meus amigos fico com vontade de escrever daquela forma. Algumas vezes meus posts sofrem grande influência destas pessoas. Nem é proposital, quando vejo já foi.

Faz tempo que não leio poesia, fas tempo que não leio Rubem Alves, Clarice Lispector, Fernando Pessoa, Cecília Meireles, Nietzsche...

Meu texto buscava a beleza e pronfundidade deles. Meus escritos mais atuais são reais. São vulneráveis ao que está a minha volta, aos acontecimentos que me penetram a pele e roubam minha inocência.

24 de abr de 2008

Construa um castelo

Não pode ser o acaso, não pode ser à toa, não pode ser assim sem motivo que você chegou até aqui. Sempre achei que tenho uma mensagem a passar. Sinto isso profundamente. Quem sabe você seja a pessoa que precisa receber a mensagem, quem sabe você possa ser um transmissor para outro alguém. O que sei é que todos temos esse legado de mensageiros. O mundo está repleto de pessoas que precisam ouvir um recado de afeto, uma palavra de ternura. Procuro levar isso. Algo que acalente. Algo que tenha ouvido e que também trouxe paz e aconchego ao meu coração. Meu desejo lá do fundo do âmago é que as pessoas pudessem ser mais felizes (eu inclusive, porque também tenho minhas fragilidades, e muitas!), pudessem ser mais amadas. Sei que para isso é preciso que amemos mais também... O amor é o tipo de sentimento que quanto mais a gente dá mais a gente tem. O estoque só aumenta. Só diminui quando deixamos de amar a nós mesmos.

Não há pedra no caminho que valha esse preço. Junte as pedras e construa um castelo!

P.S.: Quando começo a escrever quase nunca sei o que vou dizer ou como vou terminar. O texto vai tomando forma e sentido. Deixo o título para o final e normalmente ele diz algo sobre a última idéia que escrevi.

23 de abr de 2008

Agenda Profissional

Seja bem-vindo ao blog! Talvez seja sua primeira vez. Quero te localizar. Neste post falarei um pouco sobre meus compromisso profissionais desses dias. Os assuntos são continuidade de coisas que já comentei aqui. Por isso é possível que não se entenda sobre o que falo porque é preciso me conhecer primeiro. O que, aliás, vou ter o maior prazer!

Ontem à noite finalizei minha matéria com a Adriana Gualandro, o texto estava pronto mas estive na revista para dar opiniões sobre a arte da página. Adorei o resultado!

Hoje à noite dei uma entrevista ao vivo para a RTV (Rede Teovision - Canal 14 da Big TV). Amanhã tem reprise ao meio-dia. Assistam!

Amanhã de manhã vou para um café-da-manhã para a imprensa, na UNIFIG. À tarde dou aula de Educação para a Cidadania para duas turmas do Ensino Fundamental. Recebo uma visita profissional de um amigo e à noite tenho uma palestra no SESC Paulista e show da Paulah Gauss no Pióve.

Sexta será a reunião de pais do Colégio Progresso Centro. Às 11h tenho que acompanhar a edição de um institucional da escola.

P.S. : Só o show da Paulinha não é compromisso profissional.

Caso Isabella - Artigo do Jabor

Minha irmã Adelita me enviou um link esta manhã com um artigo de Arnaldo Jabor.

Para ler clique aqui

Anjo que surgiu em minha vida


Essa mulher linda era apenas um bebê quando nos conhecemos. Meus pais dizem que era o bebê mais lindo do hospital. Assim que o cabelo foi crescendo foram se formando cachinhos loiros e os traços de seu rosto foram ficando ainda mais belos. O meu reinado tinha acabado. Já não era mais filha única. Tudo agora seria dividido, com execeção da atenção, esta tinha se voltado toda para ela. Em qualquer lugar que fôssemos as pessoas só falavam dela, só olhavam para ela... Foi difícil. Não me lembro porque tinha apenas dois anos, mas posso quase sentir o que passei. Acho que foi por causa disso que comecei a roer as unhas. Dizem que eu cantava: "Bota fogo no nenê!" como uma tentativa tão inocente quanto macabra de eliminar minhas carências e inseguranças da época.
Só que o tempo foi me mostrando uma outra faceta daquele anjo de cachinhos dourados. Encontrei em minha irmã a companheira perfeita para minhas descobertas, para minhas dores, para minhas tristezas e alegrias. Comecei a perceber em seu olhar um brilho de admiração por tudo que eu fazia. Isso amaciava meu ego mesmo sendo algo muito insconsciente para perceber.
Em cada ano de maturidade nossos laços ficaram cada vez mais fortes. Unidas, juntas, compartilhando sonhos, desejos, paixões, ensinamentos. O meu desejo infantil de perdê-la foi se tornando uma enorme torcida para sua felicidade. Torcida que dura até hoje. E que vai durar para sempre.
Não saberia viver sem ela.
P.S.: O aniversário dela foi dia 12 de abril e desde então eu me preparo para oferecer esse singelo presente em forma de palavras.

22 de abr de 2008

Só para dizer que te amo

Receber um telefonema, ouvir uma voz que apenas quer dizer que nos ama, por esse afeto sentir um abraço no coração... Tão bom! Você já fez isso para alguém? Já sentiu isso?

Seja qual foi a sua resposta escolha alguém que mereça ouvir isso e faça já! Corrente do afeto!

(Quando senti esse carinho foi tão bom que tive vontade que todos sentissem também, para ser possível temos que começar fazendo isso para as pessoas que amamos. Tenho feito a minha parte).

Não é preciso mais que um telefonema e três palavras para fazer alguém muito feliz...

Terremoto no Brasil!?

Nas comparações entre Brasil e Japão, que ouvi na escola quando era criança, o Brasil era um país que tinha tudo para dar certo. Pela natureza, terra fértil, por não termos terremoto... Mas hoje fomos surpreendidos. Não senti o tremor. Você sentiu? Conte-me como foi!

Matéria sobre terremoto: http://noticias.uol.com.br/ultnot/2008/04/22/ult23u1982.jhtm

Foto

Só porque eu queria fotos para ilustrar meus próximos textos não estou conseguindo colocar...

O que a maturidade traz

Escrever pouco é melhor que não escrever nada. Hoje já me disseram que abandonei o blog no feriado. Isso porque deixei tudo explicadinho... Mas tudo bem. É sinal de que as pessoas sentem falta. Isso é gratificante para mim.

Hoje tive uma manhã corrida. Emocionalmente não estou nos meus melhores dias. Nada procupante ou perceptível para quem não me conhece, mas confesso que estou me sentindo esquisita e ainda não descobri porquê. Somos mesmo complexos. Tem coisas que a gente só entende depois. Eu já descobri, com o tempo, que era feliz e não sabia, ou que era infeliz e não sabia. A maturidade nos permite olhar para trás em cada momento da vida e ler aquela história com outros olhos, até mesmo compreender aquele "eu" agindo de forma perdida, às vezes. Só que podemos ser exigentes nessa análise e achar que deveríamos ter agido de outra forma no passado, com a maturidade do presente. Isso não é possível. Sem martírios com o que se foi, com sorriso para o que virá...

Beijos de luz,

Aline***

De volta pra casa

Acabei de chegar. Ouvimos no rádio que a Dutra estava parada, alagamento e trânsito. Por isso viemos pela Carvalho Pinto. Só pegamos lentidão na serra, na saída de Ubatuba.

Vai ser gostoso deitar e dormir agora.

Beijos de luz e até amanhã!

Aline***

21 de abr de 2008

Direto de Ubatuba

Volto hoje para São Paulo. Feliz, depois de muitas ondas... Preciso contar com calma sobre meu aprendizado com o surf. Muita paciência e alegria fazem parte dele. Sem pressa um dia chego lá!

Beijos de luz,

Aline***

19 de abr de 2008

Satisfação

Se você entrou no blog pela primeira vez, seja bem-vindo! Atualizo diariamente, sempre que posso e adoro compartilhar o que penso.

Se você vem sempre aqui, perdoe-me a ausência de alguns dias porque não tenho recursos tecnológicos que me permitam postar quando viajo. Acho bem possível que você não tenha lido TOODOOOs os posts e modéstia a parte tem muita coisa bacana e interessante. Pegue do começo, será uma honra para mim.

Se você é solidário, não me deixe falando sozinha. Não sou tão talentosa para sustentar um monólogo, preciso da sua participação. Me escreva! Deixe seu sinal de leitura clicando no link abaixo. acrescente sua opinião, diga o que gostou, se gostou, se não gostou. Enfim, o que quiser. O espaço dos comentários ao blog é seu! Que tal me ajudar a preencher nesses dias em que terei dificuldade de atualizar? São poucos dias, aliás posso oferecer melhor: nesse dias me brinde com o seu melhor.

Beijos de luz,

Aline***

18 de abr de 2008

Boa Viagem!

Amanhã é sábado e já começa o feriado.
O Feriado é segunda, mas desde já tem gente que viaja.
Tem gente que viaja sem sair de casa. No pensamento. Nos livros. Na arte. Na música. Na alma. E até na maionese.
Boa viagem para quem vai e para quem fica!
Que a sua viagem seja a melhor de todas!

Guga e a Superação

Já publiquei este texto no blog, e é da Folha de São Paulo de fevereiro, mas considero oportuno novamente. Porque Guga jogou hoje, perdeu. Ainda assim foi ovacionado pela torcida.
14 DE FEVEREIRO DE 2008
João Carlos Martins: Guga e a superação
Por João Carlos Martins, para o 'Tendências e Debates' da Folha de S.Paulo.
Após um concerto que regi com a minha Bachiana em nossa turnê nacional na cidade de Curitiba ao final, como sempre faço, executei ao piano uma peça de Bach, com os três dedos que posso utilizar.Neste momento procuro colocar o meu coração em cada nota e, inúmeras pessoas, muitas delas com algum problema físico, me procuram dizendo da importância que aquele momento teve em suas vidas.Uma dessas pessoas foi Alice, mãe de Gustavo Kuerten, que viajou de Florianópolis para assistir ao concerto. Disse-me ela que chorou bastante no instante da apresentação, mas que estava feliz de presenciar uma cena que servia de inspiração para o seu filho, o genial Guga.
Na última terça, ao ver pela televisão a partida do nosso eterno campeão na Costa do Sauípe, devolvi as lágrimas da Alice e as do próprio Guga, certamente com juros e correção monetária, pelo que ele está significando para todo o Brasil, não como o vitorioso tenista das quadras, mas como exemplo de superação e dignidade.Superação e determinação sempre fizeram parte da sua vida, como pudemos observar nas quadras em momentos difíceis. Dignidade ele demonstrou no momento em que, após citar a mãe, emocionado, demonstrou o que o seu técnico Larri Passos significou para ele desde a sua infância.
Quantas vezes no exterior, ao ligar uma televisão no quarto de um hotel, eu assistia às memoráveis conquistas do nosso Guga, e sobre elas não escreverei, pois já fazem parte da história do tênis e do esporte.
Lembro de uma entrevista de Pete Sampras afirmando que era uma responsabilidade enorme jogar contra o brasileiro. Outros tenistas da época faziam declarações semelhantes.Sem dúvida alguma ele representou durante alguns anos a imagem do Brasil no esporte. Mas eis que, por razões alheias a sua vontade, pudemos observar o início de uma nova fase na sua vida. Foi então que a minha admiração real começou a crescer quando ele, após saber da triste realidade de um problema físico que afetou os seus movimentos e a sua resistência, jamais pensou em desistir. Tentou cirurgias, fisioterapias, adaptações musculares e técnicas. Nesse momento, o nosso campeão começou a colecionar as vitórias mais importantes da sua carreira, pois estas são as vitórias da vida, e não as das quadras.
Eu posso imaginar tudo o que se passou na sua cabeça ao perceber que, aos poucos, Roland Garros e outros grandes torneios iam saindo de seus sonhos. Mesmo assim, apesar dos problemas físicos, algumas partidas memoráveis aconteceram com vitórias geniais sobre os "top ten" do mundo do tênis.Mas a realidade era cruel, e, aos poucos, o cidadão Gustavo Kuerten começava a crescer diante dos nossos olhos, participando humildemente de torneios sem muita expressão, saindo inclusive em primeiras rodadas.
Imagino quantas e quantas noites nosso campeão se questionou: será que vale a pena tentar depois de tantas glórias alcançadas no passado?.Eu digo que valeu, pois ficou o exemplo de determinação e de superação. Escrevo este artigo, pois sei tudo o que se passou em minha cabeça ao saber que minhas mãos não reagiam mais nem a cirurgias ou fisioterapias.Por quantas madrugadas fiquei, anos a fio, sentado em frente ao piano tentando fórmulas mágicas para compensar o problema físico. No dia 1.º de abril estarei na Sala São Paulo, e no dia 23 de maio no Carnegie Hall, em Nova York, regendo a minha Bachiana na primeira parte e na segunda metade tocando no piano músicas lentas de Bach e Mozart.Graças ao instrumento e à música, tentarei conseguir a qualidade de som que sempre sonhei.
Na mesma época o nosso campeão estará em Paris, no torneio de Roland Garros, colecionando mais uma vitória da vida. Neste momento, eu chego à conclusão que o destino coloca em nossa frente obstáculos quase impossíveis de serem ultrapassados. Com fé e determinação (em nosso caso), atleta e músico conseguem vencer essas barreiras. Por outro lado, o destino pode colocar em nossa frente obstáculos impossíveis de serem transpostos, por causa de problemas físicos. Com humildade temos que reconhecer a impossibilidade de ultrapassá-los. O importante é ter o bom senso para diferenciar um caso do outro.
Segue a hora de contar o meu segredo para o Guga, Alice e Larri: cada bola que sair de sua raquete nos próximos jogos, ao pousar mais lentamente na quadra do adversário, aos meus ouvidos soará como uma nota musical, numa melodia cheia de expressão e amor, que nos dá orgulho de sermos brasileiros.
Parabéns, Gustavo Kuerten, as nossas lágrimas são pela sua coragem.
João Carlos Martins, 67, é maestro titular da Orquestra Bachiana Filarmônica e diretor da faculdade de música da FMU.

Entrevista Pertinente

Acabei de chegar do salão (local onde as mulheres fazem unhas, cabelos e outras coisitas mais) e lendo um Revista Veja de novembro de 2007 encontrei esta entrevista:
ARQUIVO DE ARTIGOS ETC: VEJA Entrevista: Eric Nadelstern (o link é de um blog que a publicou)

Achei pertinente! Quero ler com calma e analisar. Para educadores tem alguns pontos polêmicos, então é cedo para que eu me manifeste.

Sonhamos juntos

Um discurso, um pensamento, uma fala. Algo que sinto e que transcende. Palavras que sobrevivem acima do contexto em que existem:
Nossa prioridade são os alunos! A prioridade de qualquer educador só pode ser o aluno. É para eles e por eles que nosso ofício faz sentido. Que não nos esqueçamos disto. Nosso olhar brilha através da realização deles, nosso orgulho nasce nas conquistas que as mãos deles constroem, nas histórias que seus passos contam. Nosso coração pulsa no destino que eles superam, nas virtudes que lhes sorriem, nas vitórias que eles desbravam. É por esse ideal que lutamos! E se este sonho encontra inimigos estamos abertos a fazer deles aliados porque acreditamos que todos, como educadores, sonhamos juntos. E se nos equivocamos em algum momento do trajeto é porque somos humanos. E se, mesmo assim, estamos dispostos a continuar a jornada é porque a coragem caminha ao nosso lado.

17 de abr de 2008

Está engasgado

Tem coisas da vida que não podem ser ditas no blog, porque não expõem só a mim. Envolvem pessoas que podem não desejar estar envolvidas, expostas... Essas coias ficam engasgadas. Eu gostaria de gritar. Algumas das pessoas que seriam expostas merecem meu respeito, merecem ser preservadas, porque são pessoas que amo e que compartilham o espaço do meu coração. Outras pessoas, as que mais precisariam ouvir (ou ler) tudo que tenho vontade de dizer talvez nem chegariam a saber do que se trata este blog, mas infelizmente é também (e talvez sobretudo) a elas que preservo quando mantenho na garganta um grito calado e sem som... Ironia!

Caráter

O caráter não é um artigo que está à venda. Não se pode comprar, trocar, ganhar. Não é qualidade dos espírito ou da alma, mas vem de berço, de quando ainda somos indefesos, pequenos e frágeis. É assim que nasce esse traço tão peculiar em nossa personalidade. Pode ser bom ou ser um abismo, um vácuo de bondade e neste caso o chamaremos de mau (caráter) - ainda que o mal não exista.

Impressionante como as pessoas podem ter nuances... Mas o caráter é claro, límpido e transparente, completamente reto e inconfundível. Não está exposto a interpretações, embora quase tudo esteja. As pessoas até se enganam sobre o caráter de outrem, mas algo que se mantm intacto é o caráter de quem quer que seja. Podemos estar enganados à respeito, mas um bom caráter jamais será um mau caráter, e vice-versa.

(Perdoem-me a minha revolta, em minha faceta mais profunda continuo acreditando no ser humano, ainda que seja um mau caráter. Hoje meu pai que é um dos homens de melhor caráter que conheço me chamou de ingênua, sem se dar conta que minha ingenuidade nasceu da ingenuidade dele. Somos sonhadores e ainda me orgulho disso).

Vivo

Quando o post é escrito com cuidado, delicadeza, carinho (diferente de outros postados às pressas) não dá vontade de colocar outro em primeiro lugar, como mais recente na fila. Mas é assim... Dei ao post abaixo o máximo de vida que pude, para celebrar uma morte que ele veio contar. Até porque ele (o post) continua vivo, de um jeitinho todo especial. Continua eterno nessa rede mundial e poderá ser acessado sempre, de acordo com a vontade e interesse do leitor. Chega a ser uma metáfora da história ali descrita, de uma morte que se mantém viva.

16 de abr de 2008

Para Cristiana

Esta é uma história tão doce, tão delicada que é também desta forma que eu gostaria de contá-la. Aconteceu longe de mim e foi me tocando aos pouquinhos como os primeiros raios da manhã que antecedem um dia de sol.
Só hoje soube por completo e ainda assim me pergunto que mensagem esta história veio me trazer. Além daquelas mais explícitas. Penso isso por ter sido algo que me chamou a atenção desde o início e por ter voltado a mim de uma forma completamente inesperada.
Há alguns meses uma brisa, um suave perfume do que seria apareceu diante de mim. Estava no blog da Rosana Hermann e ao ler os comentários me chamou a atenção uma moça que divulgava o próprio blog.
Assim que entrei tive uma surpresa. O blog contava uma história trágica, intensamente triste. De tão triste, era também bela. Meus olhos sucumbiram àquela tristeza. Rubem Alves diz que a beleza é um triunfo sobre a tristeza, uma feiticeira que transforma o que é triste.
A história trágica era a de uma jovem mãe, viúva. A morte veio para o pai, quando a vida ainda estava em gestação em seu ventre. Quando o filho nasceu o pai não mais vivia e o blog foi a forma que encontrou para contar a criança a história de amor que seus pais viveram no curto espaço de tempo que tiveram para vivê-la. Uma história florida, tendo como fruto Francisco.Por distração perdi o blog, aquela breve visita ficou em minha memória. Adélia Prado diz que "o que a memória amou fica eterno". Aquela história se tornou eterna para mim.
Interligações de acontecimentos
Como a teia da vida é uma trama em espiral sempre voltamos ao mesmo lugar, só que de outra forma.
Sexta-feira passada, dia 11, lendo um suplemento do jornal encontrei a indicação de um blog. Uma moça tira fotos de suas produções diariamente e assim todos podem acompanhar como ela se veste para ir trabalhar. Além desse blog ela tem um outro em que vende as peças que não usa mais. Tudo de muito bom gosto!
Pensei em colocar os links aqui, mas antes que fizesse isso visitei esses blogs várias vezes esta semana até que hoje, em um deles encontrei o link para o tal blog que comento no início deste post. Para minha surpresa a pessoa é a mesma!
E no mesmo dia 11, que soube dos outros blogs dela, o Globo Repórter fez uma matéria sobre a história. Veja neste link: resumo Ficou comovente e mágico!

P.S.: Se você chegou aqui vindo do link no "Para Francisco" leia também outros posts para conhecer o blog. Espero que goste:

Relacionamentos são como cristais

Filme Romântico?

A Beleza e a Coragem - A princesa do reino proibido

Ontem saí com um príncipe

"NOVA" POETISA - Poemas Imperdíveis de Ouvir

Noite de Encontros (24/9/2008)

A Borboleta e a Pedra


Os blogs da Cristiana são esses:
para francisco
hoje vou assim
filet pra quem é mignon

Parabéns!


André é meu amigo de anos, para quem escrevi esse post: 1999 celebrando o ano em que nos conhecemos. E, exatamente hoje, um ano-novo começa para ele. Que seja repleto de realizações e sonhos. Aniversário é sempre reinício, recomeço. Que o seu seja abençoado, meu querido! Feliz aniversário!
*Esta é a foto mais recente que tenho dele, em um almoço há poucas semanas. Ao lado dele minha irmã Adelita e a namorada do André, Ariele.

Da cor que o Sol nasce

Pesquisando em meu arquivo do fotolog encontrei esta imagem e o texto que se segue:
É dessa cor que o Sol nasce. Tingindo o céu em matizes muito mais belas... Pessoas também são astros que lançam suas luzes (raios) pelo mundo. Um objeto iluminado não é o mesmo que um objeto sombrio, ou fosco. Um corpo que brilha faz tudo em volta brilhar. Um olho que brilha faz outro olho brilhar...
Preciso de pessoas que brilhem! Pessoas que me instiguem, que me despertem, que me façam pensar, que me façam sentir! Pensamento e sentimento fazem parte da parte (da vida) que me inspira: a escrever e a continuar vivendo; e a continuar pensando; e a continuar sentindo. Cada olhar me conta uma história, em palavras ou em gestos, ou em silêncio, ou simplesmente enquanto brilha. Fico com essas marcas, por isso minhas palavras não são tão "minhas" quanto soam ser. Não são tão autênticas. São reflexo de raios vindos de outro nasceres de Sol, de outros astros, em outras manhãs, com outras cores... São resquícios das emoções que me bronzearam, são vestígios de que fui tocada pelo câncer* de pele na derme do sentimento. Fui mexida, transformada. Ser a mesma e sentir-se diferente é algo constante. Quanto mais entro no mundo dos outros mais posso reconhecer meu próprio mundo. Diria Saramago que é preciso estar fora da ilha para reconhecer a ilha. E é fora de mim que olho para mim mesma, através do brilho de outros olhos, que iluminam os meus próprios. E quanto mais livre está o meu espiríto, mais dentro de mim ele se instala, como um prisão voluntária, uma volta à essência, ao ventre, à origem. Sou aquela mesma menina que deram à luz há 26 anos, e a luz continua me sendo dada de todas as formas - naturais e sobrenaturais - possíveis, como raios de Sol na aurora da minha vida.
Aline***
________________________________
*câncer não é somente o nome de uma doença que se reproduz progressivamente e invade o corpo provocando alterações no organismo. Com essa descrição poderia ser sinônimo de paixão (risos), ou de amor, ou até mesmo de aprendizagem. Mas Câncer é também o nome de uma Constelação!

** escrito em 22/03/2005

Café Impresso

Tenho lido tantas crônicas lindas e raras neste site/blog: café impresso

Veja, por exemplo: A borboleta no shopping

Mas não deixe de ler as outras também!

Sonho


Entre as experiências propostas pelo "O Melhor da Vida" (vide post abaixo) a que mais me fascina é o salto de pára-quedas. Imagem e detalhes aqui:

Segredo do Sucesso

Disse que falaria mais sobre o Fórum Empresarial.
Hoje tive tempo de dar uma olhada no site: Fórum Empresarial de Guarulhos
Sou muito à favor de iniciativas como esta que trazem à cidade conteúdo e inovação.
A empresa parceira do evento também tem um site que adorei, justamente pela proposta diferenciada: O Melhor da Vida - Experience Marketing
Se quiserem saber mais sobre Rodrigo Barros, o jovem idealizador do Fórum e de outras iniciativas similares: Segredo do Sucesso

Caso Isabella - O legado de Isabella

Pesadelo real
Não vamos acordar e encontrar Isabella viva. Isso não vai acontecer. A realidade não é um sonho cruel, é real.

Os dados ainda não são oficiais, mas se a madrasta asfixiou a menina, se Isabella desmaiou e aparentou estar morta e a queda consumou a morte, então esse sensível engano poderia tê-la salvo. Se percebessem que ela estava viva talvez não a jogassem pela janela para se livrar de um corpo desfalecido. Sem a queda, ao invés de morta, ela estaria com ferimentos leves. Alguns ferimentos não motivariam a comoção deste crime. Não conheceríamos seu nome, seu rosto, sua história... E ela estaria viva.

Quantas crianças passam por maus tratos iguais ou piores que "alguns ferimentos"? Ninguém fica sabendo... Será este o legado de Isabella?

Caso Isabella - Difícil digerir

Desculpem-me por ontem... Não escrevi nada de muito útil. Passei mal à noite. Algo que comi não digeriu bem.

Aliás está sendo difícil digerir as notícias... Continuam falando do caso Isabella. Isso continua me machucando profundamente. Vejo o casal refugiado nas casas dos pais. Penso neles. Penso nos meus pais. Os pais "perdoariam" até um filho assassino. Seriam capaz de mentir por ele, de omitir por ele... São coisas que muitas pessoas fariam. Eu faria por um filho, por um irmão, por um pai... E me dói pensar que eu faria isso. Dói pensar que tem gente que sente essa dor porque está fazendo isso. E se um pai é capaz de encobrir o crime de um filho (até quando for possível encobrir) como pode esse amor de pai ser capaz de matar? Como pode matar o próprio filho que ama, o filho por quem, em nome deste amor, seria capaz de trair a verdade? Uma filha foi morta. Um filho, uma filha, ou ambos, são os possíveis responsáveis... Que tragédia!

15 de abr de 2008

Trabalho gostoso

Passei a manhã finalizando uma matéria. Por isso essa escassez aqui no blog... Em breve compenso tudo.

14 de abr de 2008

Fórum Empresarial

Foi hoje o dia da segunda edição do evento.
Depois da palestra teve uma oficina de Temaki. Consegui fazer um sozinha e degustei em seguida. Ficou bom. Adorei a idéia! A empresa que organiza esse formato de evento com experiências chama-se "O Melhor da Vida". Depois comento mais, vou tentar dormir mais cedo hoje.
Beijos de luz,
Aline***

Caso Isabella - De quem é a responsabilidade?

Nem sempre tenho muito a dizer além de contar sobre o meu próprio dia. Os dias passam por um silêncio cortante de uma verdade que se espera ouvir. Isabella tem sido pronunciada, mas não dorme. Em seu leito uma dúvida adormece vívida e insana. Uma dúvida incessante. Quisera a sociedade esta suspeita fosse errante. É que é difícil olhar um assassino sem rosto. Se não tem rosto poderia ter qualquer rosto... Há o desespero de encontrar um único para que não recaia sobre todo e qualquer rosto a imagem de um assassino.

A minha opinião é esta! É assim que enxergo o ser humano. Uma linha tênue separa o criminoso daquele incapaz de cometer um crime. Incapaz até quando?

Vislumbro a humanidade em todas as pessoas e, por mais chocante que seja, eu reluto em me colocar na posição oposta de qualquer ser humano. Sempre penso "poderia ser eu". Não quero achar que sou mais ou superior a alguém. Quero ser real e aceitar essa ausência de bem, ausência* de bondade, como uma ausência que poderia acontecer a qualquer pessoa, inclusive a mim. Não quero me excluir dessa parcela da humanidade que, embora seja uma parcela criminosa, continua fazendo parte dela. Não são animais. São humanos. Como nós, como eu, como todos... A compreensão da humanidade do outro, que se manifesta das mais variadas formas, positiva e negativamente, não é um conformismo, é uma dor, um desconforto em ser semelhante. É uma responsabilidade que carrego por cada crime que acontece, mesmo que eu (ainda) faça parte de uma parcela da humanidade que nunca cometeu um crime.

Jorge Forbes, 56 anos, psicanalista, escreveu um texto que me fez pensar. Foi publicado na Revista da Folha e está disponível no site dele:
http://www.jorgeforbes.com.br/br/contents.asp?s=23&i=115

*Assim como Platão eu não acredito no mal, apenas na ausência do bem.

13 de abr de 2008

Falta tempo para o sono

Não sei como é com as outras pessoas, sei que comigo parece acontecer o contrário.
Aos finais de semana tenho menos tempo para postar, mais coisas para fazer. Tudo lazer, mas fico cansada mesmo assim. Meus finais de semana não me deixam parar um segundo. Os horários são quase cronometrados para dar tempo de cumprir todas as companhias com as pessoas que amo. Várias vezes meu planejamento para ter algumas horas de sono a mais fica falho. Isso porque durmo tarde e acordo cedo, então sempre penso que terei algum horário para dormir um pouquinho à tarde e me recuperar. Ontem consegui fazer isso por 20 minutos, meu plano era de uma 1 a 2 horas de sono durante o dia, porque sabia que dormiria tarde de novo.

Na sexta dormi por volta das 4h AM de domingo, tive um aniversário em um bar perto de casa. Banda ao vivo, muito bom! Depois estiquei, não tinha jantado e acabei comendo no Macdonald´s um sanduíche de frango grelhado, acho que é novo.

Acordei às 9h para cantar parabéns para minha irmã. (É costume em casa acordar cantando parabéns para quem faz aniversário).

Eu e minha irmã Andreza fomos para a Galeria Ouro Fino, na R. Augusta, escolher uma roupa para ela usar à noite. Lá é um reduto de alternativos e modernos. Queríamos algo que fosse diferente. Encontramos, voltamos. Assim que cheguei em casa me ligaram e vieram me pegar em poucos minutos para um almoço com amigos. Voltei do almoço dormi 20 minutos, fui fazer escova no cabelo (para a festa) me arrumei e já estava na hora de ir. Dormi por volta de 4h de novo, acordei às 10h. Já fui tomar café na padaria. Será que hoje consigo dormir um pouquinho antes de chegar a hora de dormir mesmo?

12 de abr de 2008

11 de abr de 2008

Coincidência

Minha mãe conta que quando cursou a Faculdade de Letras o professor de Literatura sempre pedia para que ao ler um livro os alunos tentassem identificar os personagens e o enredo com suas próprias vidas. Até hoje é assim que minha mãe lê livros, assiste a filmes e, até, novelas. Sempre pensando quê significado aquela história tem sobre sua vida.

Realmente nossas experiências influenciam em nossa forma de ver o mundo e perceber os acontecimentos. Hoje vi (através do blog Querido Leitor) uma notícia (clique aqui: Lali, a bebê indiana que nasceu com duas faces )sobre uma garotinha da Índia que nasceu com duas faces. Ela tem apenas um mês e o que mais me chamou a atenção foi seu nome: Lali. Poderia ser um nome indiano comum, se não fosse o fato de minha irmã, Adelita, ter passado dois meses na Índia em um templo praticando Yoga. O fato não é especial para mim só por causa disso, por ter acontecido na Índia, mas porque o nome da minha irmã no batismo da Yoga é Lalita. E Lali é um dos apelidos mais usuais pelo qual Adelita é chamada.


Liguei para minha irmã hoje mesmo e perguntei o significado do nome. Na internet encontrei como definições "aquela que joga" e "deusa Shakti". Ela me contou que Krishna (Deus hindu) tinha 108 "gopis" (dançarinas) e Lalita era uma entre as 8 principais.


Tudo está descrito no Mahabharata , o maior épico da literatura humana, com 90 mil versos. O texto é considerado uma narrativa histórica real para os hindus. Para saber mais: http://pt.wikipedia.org/wiki/Mahabharata
A menininha indiana Lali está sendo tratada como deusa. Achei linda a declaração de um vizinho dela: "Quando se vê algo que não é natural, só pode ser algo de Deus. É tão mágico que acreditamos que ela seja uma deusa".
Se todos pudéssemos interpretar o mundo desta forma, como sendo algo de Deus...
*Se quiser ler o recado que minha irmã me deixou contando mais detalhes é só clicar em "Sinais de Leitura".



10 de abr de 2008

Ex-Fotolog

Pesquisando um pouco em meu antigo fotolog reproduzo uma pérola aqui com pequenas alterações:

Eu não sei ao certo o que acontece... Essa sede tão intensa de carinho. Essa vontade tão primitiva de ser amada. Por mais que o amor tenha me aquecido e chegado a mim de todas as formas parece que ainda mais profunda tem sido minha carência. Pego-me com saudade. Pego-me manhosa. Pego-me pelos cantos pensando. Pego-me tendo sonhos românticos. Os mesmos que tive desde sempre, entretanto a realidade não era a mesma de agora. E mesmo podendo vivenciar os sonhos em nada eles se tornaram mais distantes, mais simples, ou mais fracos. Ao contrário, vão ficando maiores. Ao invés da sorrateira paz, me trazem inquietação, desejo, fome... A Adélia Prado tem uma frase citada a exaustão por Rubem Alves: "Não quero faca nem queijo, eu quero é fome". Porque a faca e o queijo não tem valor sem a fome, não servem para nada. E a fome sozinha é capaz de motivar - corpo, mente, sentimento - na busca do queijo que a sacie.

Os gregos não escreviam obituários. Quando alguém morria simplesmente se perguntava: "Ele(a) viveu sua vida com paixão?"Tenho sido movida pela paixão. Não tenho dúvidas. Muito mais do que em qualquer outra fase da minha vida. É diferente da paixão platônica de que sempre fui adepta, é diferente de estar a todo instante serenamente apaixonada pelo mundo. É algo mais inconsequente, menos racional do que costumeiramente sou. Apesar do sentimento ser tão vívido e presente em tudo que faço, apesar do sonho voando solto, sempre tive os calcanhares apoiados no chão. Os menos sensíveis não sabiam disso, mas eu não era de me arriscar. Correr riscos agora tem sido uma prática e uma necessidade, para que eu consiga sentir por completo. Deixar de sentir é impossível para mim! Nem desejo ou quero que seja possível...
Eu certamente responderia aos gregos:
"- Sim, vivi minha vida com paixão!"

Aline***
________________________________

*versão orginal escrita em 19.03.2005: http://www.fotolog.com/byaline/10048368

Curso para pais e filhos

Fiquei encantada com a proposta deste curso da Casa do Saber. É bem caro, mas mesmo assim acho que vale a pena economizar com outra coisa para investir nisso. Só não vou porque não tenho criança nesta faixa etária (de 7 a 11 anos), mas adoraria levar um filho ou filha para cursar algo assim:

A contemplação do céu estrelado

Professor: Walmir Thomazi CardosoInício: 26/abr

José Pacheco

Da forma que coloquei a foto parece que ele me olha enquanto escrevo...

Este é o perfil de José Pacheco. O perfil na foto, não em texto. Porque textualmente a emoção não deixa contar tudo. A razão não funciona no ritmo da emoção e o texto fica falho...

Por volta de 2002, calculo, li pela internet umas crônicas de Rubem Alves que fazem parte do livro "A escola que sempre sonhei sem nunca imaginar que pudesse existir" (você pode encontrar os escritos aqui: http://www.escola2000.org.br/pesquise/texto/textos_art.aspx?id=17). Detalhava a experiência dele ao visitar uma escola encantadora em Portugal, cujo diretor e idealizador do projeto era José Pacheco.

Estive algumas vezes na presença dele em Congressos. Pacheco sempre me emocionou, me comoveu a ponto de levar-me às lágrimas... A forma com que ele pensa a educação faz palpitar meu âmago.

Em 21 de junho de 2005 lhe escrevi este e-mail:

Prof. José Pacheco,

Sinto-me pequenininha em escrever. Logo eu que me dou tão bem com as palavras, que adoro formular textos belos e pensar poemas, desenhar poesias e rimas ligando as letras do alfabeto, criando um sonho... É por causo do sonho que escrevo e pela felicidade do sonho que não consigo corresponder em palavras. O que chamo "sonho" e leio com somente 5 letras tem um sentido um pouco mais comprido. São duas palavras maiores ligadas por uma pequenina. Uma é "Escola" a outra é "Ponte" e as duas juntas poderiam ser sinônimo de Sonho.

Sem saber eu já sonhava e era você que realizava meu sonho do outro lado do oceano... O que dizer para o responsável por realizar meu singelo sonho? Talvez o silêncio do olhar que não posso transmitir agora, ou o barulhinho de um sorriso que aparece em meu rosto toda vez que lembro, ou a voz do sentimento especial que une nossos sonhos em um, ou a esperança ainda criança de que o sonho não acabou, ou uma novem rosada tingida pelo Sol no crepúsculo, ou um céu estrelado como um lençol azul marinho na imensidão da noite, ou uma mordida doce na fruta preferida. Ou simplesmente calar-me, como me calo, porque nada tenho a acrescentar à perfeição deste sonho...

Beijos afetuosos,

Aline***

*Uma educadora de 26 anos, que lê Rubem Alves, acompanha Pacheco nas palestras no Brasil e sorri sozinha porque eles não sabem quem ela é, mas ela sabe muito bem quem eles são e os admira demais

No dia seguinte ele me respondeu:

Prezada Aline,

Se a linguagem é fonte de mal-entendidos (como diria a raposa do Pequeno Príncipe) e o essencial não cabe nas palavras, resta-me fazer silêncio e enviar-te uns textinhos que escrevi para o meu neto Marcos (já leste as cartas que escrevi para a Alice?).

Em Julho, voltarei ao teu país. Se estiveres por aí, discretamente ouvindo a minha "fala", e quiseres dar-te a conhecer, poderei disponibilizar um tempo para "trocarmos figurinhas". Nem que seja em silêncio...

Um beijo.

José Pacheco

____________________________________

Eu o vi outras vezes, nos correspondemos outras tantas, mas até hoje nossas almas não puderam conversar dentro de nossos corpos sem que estivéssemos distantes.

*para conhecer mais: http://www.eb1-ponte-n1.rcts.pt/ (site oficial)

Agradecimentos

Comentários ao blog são mensagens sensíveis. Pessoas que repousaram o olhar por um segundo a mais. Deixaram a palavra atingir o sentimento. Deixaram o sentimento transcender em novas palavras...

Só posso agradecer:
Martha Correa ( http://marthacorreaonline.blogspot.com/ ) me deixou um recado tão delicado que também fez minha alma sorrir.
Renan Cardoso ( http://renanbalieiro.blogspot.com/ ) que acompanha sempre, e
Priscila Fonseca, que escreveu com tanto afeto.

Beijos de luz,

Aline***

Bem-vinda!

Bom dia!
A luz deve ter voltado logo, mas eu não estava presente. Sem poder ler, escrever, ver TV ou internet foi um ótimo motivo para sairmos de casa a família toda. Comemos no Almanara (http://www.almanara.com.br/). Assim que cheguei em casa fui encontrar os amigos no Kabala (http://www.kabalapub.com.br/ ). Saindo de lá, já era hoje e um amigo ligou contando que a filhinha nasceu. Corremos para o hospital.

Em uma dia em que a luz acabou, deram à luz uma criança linda. Que ela seja muito bem-vinda a esse mundo!

9 de abr de 2008

Incêndio e helicópteros

Acabo de receber uma ligação de casa. Dois helicópteros sobrevoam a região onde moro e lá a luz acabou . De acordo com o Último Segundo trata-se de um incêndio em uma subestação de energia. Provavelmente está sendo televisionado. Isso explicaria os helicópteros.
Veja aqui:
http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/04/09/incendio_atinge_subestacao_da_eletropaulo_na_zona_norte_de_sp_1265028.html

O site diz que 18 mil pessoas estão sem energia no momento.

Pureza das malícias

Ainda não terminei esse texto, escrevi ontem, é que às vezes minhas palavras ficam prontas (ou não) mas ficam sem meu punho para as finalizarem:

Eu rabisco os livros à lápis, e às vezes leio jornais velhos. Eu não desfaço das minhas roupas, dos beijos na boca, das conversas na madrugada. Eu às vezes falo, às vezes não ouço nada. Eu planto em mim os desejos, as horas, os queros. Eu busco nas horas os risos, as lágrimas, emoções desprovidas de juízo, no calor das delícias, na pureza das malícias... Tento construir poemas-retratos para guardar em palavras o que as fotos revelam em imagens.

*escrito em 08.05.2008 – às 10h05m AM

Aline Ahmad***

Amor e Lealdade


Para mim Stephen Kanitz é brilhante. Um grande cérebro, uma grande alma, um homem que consegue equilibrar inteligência e sensibilidade com maestria. Acompanho o que ele escreve. Este livro(foto) é uma coletânea de seus textos. Podem ser lidos também pelo site: http://www.kanitz.com.br/
Tem textos dele que ajudaram a salvar casamentos. É o caso de "O Segredo do Casamento" (http://www.kanitz.com/veja/segredo.asp ) e de "O Contrato de Casamento" (http://www.kanitz.com/veja/contrato.asp ). Isso não é propaganda. Eu mesma indiquei as leituras para pessoas cujo as quais o casamento renasceu das cinzas. Ele tem sempre um olhar único sobre as situações. Suas idéias desfalecem conceitos antigos e instituem novos de uma forma que fica praticamente impossível discordar do que ele pensa, argumenta e reflete. Seja escrevendo sobre economia, educação ou relacionamento Kanitz nos surpreende.
Em uma recente edição da Revista Veja, da qual é colunista, foi publicado o texto "Amor e Lealdade". Recomendo muito, muito, muito! Não tem como não se interessar, se comover e até mesmo repensar como certas coisas estão erradas na forma em que vivemos. Quando temos uma escolha sempre decepcionamos as pessoas que mais nos amam, porque são as que temos certeza que nos amam. Preferimos agradar quem não se importa...
Nas palavras dele:
"(...)você acaba colocando as pessoas que o amam para trás. Justamente as pessoas que nos amam é que acabamos decepcionando, vítimas dos nossos erros do dia-a-dia. Que recompensa é essa que dispensamos àqueles que nos amam e que nos são leais? Por quanto tempo eles continuarão nos amando diante de atitudes assim?"

Didático

Se você é visitante deste blog e quer me deixar um comentário. Abaixo de cada post há um link para isso. Onde está escrito "sinais de leitura". Tudo que quero é que você deixe o seu "sinal" de que passou por aqui, de que leu, de que gostou. Ou até mesmo de que não gostou, aceito críticas também.

Pode observar que ao lado do "sinais de leitura" há um desenho de um envelope de carta com uma seta. Clicando nesse ícone você pode recomendar o post a um amigo. Isso vai me deixar honrada!

Espero que aproveite esses recursos! (E assim faça essa criança feliz!)

Beijos de luz,

Aline***

Obrigatório - Caso Isabella

Perdoem-me o sorriso na foto ao lado. Este momento não merece um único sorriso. Eu reservaria a ele uma lágrima silenciosa e cristalina repleta de dor e de vergonha... Quisera eu saber abordar o assunto. Para isso eu teria que viver uma tragédia da qual me orgulho de estar distante. Guilherme Fiuza (leia posta abaixo) a vivenciou. Em seu blog ele escreveu esse post obrigatório:

http://www.guilhermefiuza.com.br/?p=20

Aqui alguns trechos da entrevista que pode ser ouvida em áudio foram transcritos:
http://www.outrosolhos.com.br/2008/04/09/guilherme-fiuza-a-imprensa-e-o-caso-isabella/

Vale a pena ler também:
http://observatorio.ultimosegundo.ig.com.br/artigos.asp?cod=480CIR001

*links do blog da Rosana Hermann

8 de abr de 2008

Preciso me redimir

Preciso me redimir por ser humana. Preciso me redimir por errar, por ser pequena, por ser errante, por ser ignorante, até... Preciso me redimir por me faltar civilidade, porque faço parte de um mundo, de uma sociedade cuja qual redimir-se também serve.

Um crime aconteceu. E como ficar calada? Como ser equilibrada se Isabela morreu? Como ser sensata se os olhos dela brilhavam poucos dias antes de agora? Se os meus pés já pisaram no mesmo supermercado pelo qual ela passou horas antes de morrer?

Crime? Acidente? Tragédia?

Outra tragédia
Guilherme Fiúza é jornalista e escritor. Recentemente um de seus livros se tornou o filme brasileiro de maior sucesso neste ano: "Meu nome não é Johnny". Guilherme também foi pai de Pedro. Uma criança que caiu do oitavo andar. Neste depoimento ele fala brilhantemente sobre o julgamento precipitado. Sobre a irresponsabilidade da mídia, da imprensa, da opinião pública, esta última que, nas palavras dele, é "covarde porque não tem rosto".

Se de um lado temos a atitude sensata, quase incompreensível de tão admirável, de Ana Carolina de Oliveira, a mãe de Isabela. De outro temos pessoas invadindo a privacidade dela. Parece que os paparazzi essa semana não estão mais seguindo Adriane Galisteu ou Fábio Assunção. Ana Carolina virou celebridade na velocidade de uma tragédia, de uma perda irrecuperável... Outros assuntos vão surgir. Assim como semanas antes só se falava na meninda torturada, ou na brasileira envolvida no que aconteceu com ex-governador de Nova York. Os assuntos mudam. As tragédias dilaceram vidas. A opinião pública é cruel e sem memória. Adentra a vida das pessoas da mesma forma que foge delas porque outro assunto mais recente surgiu.

É por isso que não me é reservado o direito da revolta. Pouco sei quem a merece. Quem sou eu para julgar as informações desconexas e irresponsáveis da imprensa? Uma tragédia não é um espetáculo! Posso ver pessoas comemorando os altos índices no ibope... Triste! Deprimente!

Ouçam as palavras de Guilherme Fiúza, muito mais pertinentes que as minhas. O depoimento dele é obrigatório: http://www.bandnewsfm.com.br/conteudo.asp?ID=78136

*link do blog da Rosana Hermann

Palestras estreladas e imperdíveis

A partir de semana que vem o Sesc e a Casa do Saber vão promover palestras fantásticas por apenas R$ 30,00. Eu disse trinta reais, isso mesmo. Estudantes pagam meia. Mas o melhor é que não serão cada palestra por esse valor, mas um ciclo de 10 palestras, por esse valor. Incrível e imperdível, não? Eu e minhas irmãs estaremos lá. Olhem os temas e os palestrantes estrelados:


Conferências
o vazio do pensamento l Franklin Leopoldo e Silva - 16abr
a sabedoria l Marcelo Perine - 17abr
a injustiça l Francis Wolff - 18abr
a intemperança l Renato Janine Ribeiro - 24abr
a vergonha* l Ruwen Ogien - 25abr
a passividade l Maria Rrita Kehl - 30abr
a amizade l Marcelo Coelho0 - 2mai
a intolerãncia l Eugênio Bucci0 - 7mai
a indiferença l Renato Lessa - 08mai
a liberdade l Marilena Chaui - 09mai

Acesse: http://www.cultura.gov.br/programas_e_acoes/cultura_e_pensamento/noticias/index.php?p=31506&more=1&c=1&pb=1

Ou ligue para :31793700 e já faça sua inscrição! O pagamento pode ser através de cartão pelo telefone mesmo, ou por e-mail com boleto bancário.

Como eram suas aulas?

Em 2004 eu li muito Rubem Alves e ele perfumava minha vida... Para Rubem eu escrevi esse texto que encontrei recentemente rascunhado à lápis na orelha de um livro:

Como eram suas aulas?

Como eram suas aulas?
Suas aulas eram poemas?
Suas falas eram poesias?
Suas palavras eram cantigas?
E seus alunos com olhares ávidos,
sabiam admirar o mestre que tinham?

Como eram suas aulas?
Tinham a mesma delicadeza e romantismo
que habitam seu ser?
Como eram as lições?
Apimentadas? Polêmicas, como você?

E de imaginar meu mestre
Sendo literalmente mestre
Concluo que suas aulas eram poemas
Por me inspirarem poesia só em sonhar com elas...

*escrito em 18.03.2008 - 12h15min

Múltipla

Ontem recebi uma crítica sobre o blog, foi mais uma opinião, na verdade. Disse-me ele que meu fotolog era mais literário, que nem parece a mesma pessoa escrevendo. Somos múltiplos!

Fique à vontade e deixe-me um sinal de leitura, clicando abaixo. (Tem gente que me visita e não sabe como deixar um comentário... Vale o esforço para fazer essa criança feliz, viu!)

Bebê

Dormi quando a noite já não era mais criança faz tempo... (risos)
Acordei quando o dia ainda era um bebê.

7 de abr de 2008

Sorriso que preenche

Se a vida fosse suficiente para abrigar todos os meus sonhos,
Todos meus anseios,
Todas minhas promessas,
Todas minhas pressas,
Toda paciência imensa,
Toda ciência específica...
E também meu vasto mundo...

A vida tão pequena e breve
Passa na velocidade de um segundo
Nela não cabe nem metade
Nem o riso, nem felicidade
Apenas um sorriso leve e de verdade

Só ele já preenche a vida

Aline Ahmad***

O que eu ainda não disse

Sabe, gente!? Tem coisas que eu não disse ontem, tem coisas que eu nunca disse e, sobretudo, tem coisas que todo mundo devia dizer. É nossa obrigação como ser humano, como cidadão, como pessoa!

Ontem assisti à magnífica Elisa Lucinda no teatro, na peça "Parem de falar mal da rotina".
Informações neste post: http://beijosdeluz.blogspot.com/2008/03/elisa-lucinda.html

Estou em êxtase. Costumo ficar assim. A peça provoca isso. Foi a sétima vez que assisti, mas foi a primeira em quase três anos de intervalo. O espetáculo é repleto de humor, é leve, interativo, gostoso. Ninguém pense que vai chegar lá e encontrar um discurso chato ou cansativo, mas saiba que vai ouvir coisas que precisamos ouvir, precisamos falar, precisamos lembrar... Não dá pra ser omisso. Elisa fala por nós. É dela o conhecido poema "Só de sacanagem" que ficou conhecido na voz da cantora Ana Carolina. Fala da corrupção, fala dos meninos de rua, fala da vida, dos nossos conflitos, dos cárceres, cujo quais nós mesmos nos condenamos; da rotina (culpada de tudo !? !? ), fala sobre a educação, o preconceito, as crianças, etc. Olha, é imperdível! Elisa merecia um horário na TV, um programa para expor esse pensamento tão brilhante. Essa arte tão indispensável.

Comecei o texto falando sobre o que eu ainda não disse. Sobre a Elisa eu já tinha falado, mas ainda não tinha falado sobre a Isabela. O que foi isso gente? Esse crime, essa criança... Os vizinhos ouviram, não fizeram nada. E não adianta pensar que são "aqueles vizinhos-daquele prédio-naquele horário que não fizeram nada", não! Não são só eles, não são os outros (quando apontamos um dedo, três se voltam para nós), somos NÓS. Chegou a hora de fazer melhor a nossa parte. De dizer: "a partir de hoje nenhuma criança será injustiçada no meu campo de visão", "a partir de hoje ninguém vai passar fome perto de mim". O que mais falta dizer? Já que tanto nos falta fazer... Não é porque Isabela morreu que podemos esquecer a menina torturada, acorrentada. Caramba, quanto horror o ser humano é capaz de produzir. Vamos contrabalancear (no mínimo) oferecendo mais amor a quem a gente ama, mais afeto, mais doçura. Não sei, vamos criar um movimento, "ninguém sairá de minha presença sem dar um sorriso a mais, sem ser um segundo mais feliz". Você vem comigo?

Look

Já que estou nesse processo de imersão na moda vou fazer algo que fazia quando escrevia diário. Naquela época eu chamava de agenda, mas não agendava nada, só escrevia o passado mesmo. Adorava colocar as roupas que eu estava vestida a cada dia. Isso me remetia aos momentos vividos. Eu gostava de me enxergar na cena para em seguida recordá-la.

Hoje saí com meu lenço palestino no pescoço (ele é vermelho com estampa de estrelas), blusa vermelha da Zara. Jaqueta de couro perfecto(aquele modelo que remete aos motoqueiros) preta(da minha irmã), também Zara e calça preta boca-de-sino da Raia de Goeye.

6 de abr de 2008

Garimpo Urbano


Sempre gostei de moda, mas recentemente estou ainda mais mergulhada neste universo. Resquício de minha entrevista com Adriana Gualandro, cujo destino final será uma matéria que escreverei para uma revista.
Dri me falou muito sobre os lenços palestinos que estão na moda. Minhas irmãs tem um, cada uma, desde o final do ano. Achei que "já era" porque já tinha enjoado dos lenços das minhas irmãs mas ontem vi tanta gente usando que acabei comprando um. Hoje fui pesquisar o tal lenço e encontrei esse post de 26 de outubro do ano passado: http://www.raquelmedeiros.com.br/blog/?p=32
( por sinal adorei o blog e copiei de lá a foto)

De lá fui remetida para o Chic, site da Gloria Khalil: http://chic.ig.com.br/materias/446501-447000/446935/446935_1.html a data do post é de agosto de 2007, ou seja estou beeem atrasada. Como consolo é natural que toda tendência demore mesmo para chegar às ruas.

O bacana é que nessa viagem reencontrei uma loja, a Urban Outfitters http://www.urbanoutfitters.com/urban/index.jsp , que fez parte da minha adolescência. Em 1996 eu lia revista Capricho e lembro-me de uma resportagem sobre essa marca. Particularmente acho que a similar brasileira seria a Doc Dog ( http://www.docdog.com.br/ ) mas por motivos pessoais que eu não saberia explicar gosto muito mais da Urban, está ligada a coisas que vivi. Embora só tenha visitado a loja pessoalmente duas vezes, até porque não tem no Brasil. Em julho daquele ano (1996) eu e minhas irmãs fizemos uma viagem para Califórnia, levamos o endereço da loja em Santa Monica ( 1440 3rd St. Promenade Santa Monica, CA 90401-2322( 310 ) 394 - 1404) . Lembro-me que tínhamos ficado completamente fascinadas assim que encontramos e entramos. Tem de tudo por lá, em um aspecto que lembra uma bagunça e que nos convida a garimpar cada item, cada produto, cada roupa, cada acessório.

No site gostei especialmente desta tiara:

Roupas

Ontem quase não escrevi porque acordei, tomei café e... Milagre! Resolvi ir para a academia com minha irmã (Andreza). Depois de malhar um pouco fomos encontrar a Adelita, nossa irmã mais nova e procurar um vestido para o aniversario da Deza, sábado que vem. Fomos prestigiar algumas novas estilistas. Fomos em lojas que não conhecíamos. Primeira na Teca. (http://www.tecateca.com.br/ ) Roupas lindas, criativas, atendimento simpático. Mas peças muito caras. Coleção nova. Na Fabia Bercsek (http://www.fabiabercsek.com.br/home.html )era o último dia da promoção. Demos sorte por conseguir algumas peças em um valor mais acessível. Almoçamos no Mori Sushi. De lá passamos na Roxy Dreams, na Al. Lorena. Comprei um brinco e um lenço palestino com estampa de estrelas, lindo!

Voltei para Guarulhos e jantei no Mcdonald's com o meu lindo, isto é, eu só o acompanhei. Evito comer Mac por motivos óbvios. Para mim a melhor opção lá é a salada com frango grelhado e o mais soboroso e não prejudicial o iogurte com frutas vermelhas e granola, recomendo! Imagino que sejam itens que só estejam no cardápio para não pesar a consciência. Ainda quero assistir ao filme "Super Size Me" http://www.adorocinema.com.br/filmes/super-size-me/super-size-me.asp . O documentário que critica o Mcdonald's. Acho que o filme é responsável por algumas mudanças na lanchonete. Não é tudo, mas fico feliz que alguém tenha conseguido mudar algo instituído no mundo tudo por uma empresa.

Beijos de luz,

Aline***

Amanhã

Hoje não é mais hoje. Hoje já é amanhã.
Melhor dormir (antes que o amanhã chegue cedo demais).

5 de abr de 2008

O ontem que continua hoje.

Ontem recebi a visita de uma amiga de colégio, no colégio. Ela é fonoaudióloga, simpática e estudou comigo quando fiz magistério. Foi uma turma tão maravilhosa!

Conversamos muito ontem. É tão bom encontrar pessoas de alto astral, alma boa e coração puro. Mesmo o tempo de distância não altera a amizade. Trocamos figurinhas. Falamos de nossas vidas como se estivéssemos nos vendo sempre.

Para mim amizade verdadeira é isso! Por mais que a gente mude o elo continue igual. Alguns "ontens" estarão presentes no "amanhã", porque valem cada segundo do "hoje".

4 de abr de 2008

Dia produtivo

Adoro quando o dia é produtivo!
Trabalhei, fiz uma gravação para a TV Guarulhos como repórter, visitei uma escola de inglês para futura parceria e fui a uma reunião. Voltei e já estou de saída de novo para encontrar algumas pessoas do trabalho para comemorarmos a decisão da reunião.

Dois Livros

No colégio que visitamos há algumas semana em Sorocaba eles desenvolvem um trabalho interessante, através de contos, inspirado no livro: "A Psicanálise dos Contos de Fada", de Bruno Bettelhein ( http://www.submarino.com.br/books_searchresults.asp?Query=ProductPage&ProdTypeId=1&WhichForm=frmSearchHomePage&Search=psican%E1lise%20contos%20fada ).

Um outro livro interessante sobre o assunto e recomendado pelo psicanalista e colunista da Folha, Contardo Caligaris, é o Fadas no Divã ( http://www.submarino.com.br/books_searchresults.asp?Query=ProductPage&ProdTypeId=1&WhichForm=frmSearch&Search=fadas%20no%20div%E3&SearchBy=Palavra-chave )

Estou interessada, se alguém se habilitar em me dar de presente... risos

Índices de Audiência

Os acessos ao blog estão aumentando. Isso me deixa tão feliz! Ontem consegui pegar um momento com 6 pessoas on line. A média de visitas é de 20 por dia... Mas se comparado ao orkut ainda é um número insignificativo. Só ontem recebi 114 page views no meu perfil no orkut.

3 de abr de 2008

1999


Em agosto de 1999 eu tinha acabado de voltar de uma viagem para a Flórida com minhas irmãs na casa da Paulah Gauss. Lá decidimos que montaríamos um quarteto musical e que gravaríamos um CD. A Paulah já fazia aula de canto (hoje ela é cantora em carreira solo: http://www.paulahgauss.com.br/ e o blog está na barra ao lado). Fomos treinar as cordas vocais com a mesma professora dela, a Nancy Miranda, uma senhora diabética e talentosa que já tinha cantado no Carnigie Hall em Nova York e inaugurado a TV brasileira, ao lado da Hebe, quando as duas eram jovens. O lugar era uma casa antiga na Al. Lorena (entre a Consolação e a Mello Alves, em São Paulo) do qual sinto saudade.

No primeiro dia que entramos na escola já era possível ouvir as vozes dos alunos. Em especial um grupo que ensaiva um número em italiano. Estilo ópera. Parecia um CD do Pavarotti ou Bocceli ligado no último volume. Logo imaginei que seriam alguns homens velhos e gordos cantando. Mas quando a porta se abriu para entrarmos na sala avistamos 3 rapazes adoráveis, jovenzinhos, estilosos e desleixados como a idade permitia: Ricardo Arantes (que hoje canta aos domingos na banda do Faustão), Alexandre e André (irmãos que se tornaram meus grandes amigos até hoje). O primeiro contato gerou uma paquera tímida. Afinal tínhamos praticamente a mesma idade, éramos 4 garotas que estávamos aprendendo a cantar imaginando estourar um CD nas rádios em poucos meses. Sonho, ou melhor, ilusão que se desfez em poucos segundos ao ouví-los. Claro que eles estourariam antes de nós. Nunca tínhamos ouvido vozes tão bonitas. Claro, que não tínhamos a mínima noção de afinação e sonoridade... (risos) Brincadeiras a parte, era nítido e fácil perceber o talento completamente explícito daqueles meninos.
Era época da novela Terra Nostra. Eles cantavam em italiano. Nosso raciocínio "vão entrar no CD da novela". Essa ilusão durou anos. Sempre a próxima temporada seria a deles estourarem. Jamais deixaram de se aprimorar e tentar. Cantaram no Raul Gil, no bar da esquina, nos meus aniversários... Em todos os lugares possíveis. Meus amigos, André e Alexandre, tinham abandonado a cidade natal (Belém do Pará) para dedicarem-se a carreira que não decolava por mais que o sonho crescesse e parecesse próximo.
Os obstáculos foram muitos.
Hoje André investe em uma carreira solo. Adotou "André DuA" como nome artístico. É ele que aparece na foto.
Vocês podem conferir as composições dele no site: http://www.andredua.com/

Beijos de luz,

Aline***

Transporte Solidário

A Secretaria de Meio Ambiente de São Paulo tem um Programa de Transporte Solidário. Através do site http://www.ambiente.sp.gov.br/pts/index.htm as pessoas podem se cadastrar e cruzar informações de trajeto e até mesmo de interesses em comum. Achei tão bacana! Só não conheço ninguém que participe. Você conhece? Tentei me cadastrar e também não consegui, talvez seja ignorância da minha parte... Se alguém conseguir ou já for cadastrado se manifeste, por favor. Deixe um sinal de leitura!
Beijos de luz,
Aline***

Prazo

Quem diria!? Estou com dificuldade para começar a escrever as duas matérias que estou comprometida a escrever para uma revista. De certa forma está tudo pronto na minha cabeça. Ainda não consegui colocar no papel. Em breve publicarei aqui! O prazo de entrega era início de abril, já chegou, sinto que devo me apressar...

2 de abr de 2008

Instável

Sim, estou instável. A instabilidade capaz de escrever um post revoltado e em seguida outro irradiante.

New Kids on the Block



O New Kids on the Block vai lançar um novo CD 14 anos após a dissolução do grupo. Pela foto considero que todos continuam muito iguais fisicamente ao que eram na época do estouro dessa boyband. Talvez Donnie (bem no centro) esteja com um rosto um pouco mais maduro. Adorei as roupas e o estilo! (http://www.famosidades.com.br/new/noticias_msn.asp?id=3561) Agora você me pergunta: "Por que uma foto deles?" Ora, eu te respondo, New Kids tem tuuudo a ver comigo!! Sou uma assumida ex-fã do grupo. (Fazer o que? Ninguém é perfeito... risos) Em 1989 - 1990 eu tinha vídeos, fotos, matérias, guardadas em pastas, enfim, tudo que remetesse a esses 5 moços. Embora a febre tenha passado, ainda vibrei ao conferir no Youtube o trecho de um show que assisti repetidas vezes quando tinha apenas 11 anos! ( http://www.youtube.com/watch?v=1rjJa3nspZw ) Apesar do rebolado que hoje, percebo, beira a "bichice", para mim Jordan continua incrivelmente sexy nesta performance.

Verdade Mentirosa

A verdade é multifacetada. Torna-se criminosa, mentirosa...
Meu pai é um grande homem, íntegro, honesto e sábio, como jamais pude conhecer igual. Às vezes a sua bondade chega a ser tão doce e pura que em nada se parece com a experiência de 72 anos. Muitas vezes é confundida com uma ingenuidade quase boba.
Ele é assim como pai, como pessoa e como profissional. Alguém brilhante que nunca teve a imagem arranhada por nada em sua história.
Recentemente ele assumiu um compromisso de trabalho pomposo, de poder e prestígio, pelo qual não recebe um único centavo há meses(esse detalhe não é de conhecimento de todos, mas devia ser). Teve que tomar decisões desconfortáveis, desagradáveis para muitas pessoas, em nome de um bem coletivo e de um futuro melhor para a maioria dos envolvidos. Isso foi compreendido como ameaça. Interpretado como injustiça. A interpretação é burra, ignorante, não conhece os fatos, sobretudo não conhece a pessoa (meu pai) e comete a maior insjustiça. E, pior, contra si mesma. Porque injustiçar o bom é comprometer o bem. De todos.

Processo Hoffman


Em abril de 2006 fiz o Processo Hoffman. Este é um curso profundo de auto-conhecimento. Na foto estou agachada no canto direito, ao lado dos amigos e professores que participaram do Processo comigo. Foi durante esta semana de imersão em mim mesma que escrevi esse texto:


MEU COMPROMISSO DE AMOR COMIGO MESMA E MINHA VIDA

Será tudo diferente.Eu renasci! Tenho a oportunidade de um novo começo. Agora posso olhar a vida com lucidez. Percebo toda a felicidade ao meu alcance e compreendo que é necessário trabalho, esforço, luta... E eu escolho lutar! Escolho realizar meus sonhos. Escolho fazer por mim mesma e saborear as vitórias das minhas próprias decisões. Eu escolho me fazer brilhar, não para ofuscar a luz dos outros, mas para contribuir com a minha parte na iluminação do mundo.Hoje escolho voar. Estou me despindo de viver uma vida medíocre e de traçar um futuro de lamentações.Se o meu destino for o céu, eu o encherei de estrelas.*Se o meu caminho for cantar, esgotarei minha voz até o último sussurro.Não me contentarei com menos, não haverá limites para as conquistas que desejo alcançar...Eu me lançarei na vida com coragem e confiança de que jamais estarei só, pois o meu amor próprio me faz companhia.O espelho vai se orgulhar de minha beleza e estarei liberta dos padrões mentirosos e negativos que só evidenciaram a minha sombra. Então, somente a luz há de guiar minhas atitudes. E atitudes eu terei SEMPRE!Sei que existirão fraquezas e para elas mostrarei a minha força.Sei que enfrentarei problemas e para eles encontrarei as soluções, pois é para o amor e pelo amor que eu existo e é para ele e por ele que viverei o meu melhor, a minha verdade.Para fazer resplandecer a minha obra-de-arte, tirarei de mim mesma todos os excessos, retirarei as arestas, para visualizar a perfeição humana (e divina!) que sempre existiu. Através desta gloriosa descoberta plantarei as sementes dos meus sonhos no jardim do meu presente, no solo do passado, para o florescer de um novo amanhã!E se amanhã estiver cega terei olhado as pessoas, o mundo e, sobretudo, a mim mesma, com amor. E se amanhã estiver cega, desde hoje terei visualizado o que de belo deslumbra meu olhar com encantamento. Não uma vida fantasiosa e utópica, nem irreal, entretanto uma vida de infinitas POSSIBILIDADES, que poderei tecer com meus próprios dedos e amar profundamente, com toda a inteireza do meu coração.Se a felicidade for um cálice eu o transbordarei com meu sentimento, extremamente completa, serena e tranquila e reservarei o melhor de meus sorrisos para cada instante efêmero de vida que se eternizar na minha história.

Amém!

Aline***

__________________________

*escrito em 08/04/2006 - 11:58 AM- durante o Processo Hoffman de Quadrinidade

*inspirado em um poema de Menotti Del Picchia

site: http://www.centrohoffman.com.br




Vídeos

Ontem a Rosana publicou e hoje eu estou replicando esses vídeos:

http://www.youtube.com/watch?v=Knp_EikoUwc&eurl=http://queridoleitor.zip.net/ (nesse você verá a apresentação de Mallu Magalhães no Altas Horas. Trata-se da talentosa menina de 15 anos que compõe e canta em inglês e que se tornou um fenômeno musical [mundial] por ser lançada na internet através de seu site no MySpace)

http://youtube.com/watch?v=JoYT8TH_ckY ("O que faz você feliz?", lindo poema na voz de Arnaldo Antunes. É um comercial do Pão de Açúcar, mas suprimindo essa informação e detalhe vale a pena deixar-se levar... )

http://www.youtube.com/watch?v=8_o5U64b-Rk (outra versão do comercial, esta é ótima para apresentar para crianças e incentivar a alimentaçãp saudável)

Beijos de luz,

Aline***

Correção

E por falar em mentira, acabei mentindo sem querer aqui no blog. Deixaram-me um sinal de leitura e um comentário que adorei! Nele pude saber que o perfil que divulguei da namorada do Rafinha (BBB8) é falso. O verdadeiro é esse: http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=1040262706199994239

Mentira

Agora é tarde, o dia da mentira passou... Você aproveitou para contar uma mentirinha? Eu sim! (risos)

Silêncios

Quando as palavras não são escritas por fora é porque estão sendo escritas por dentro...
Hoje os silêncios reinaram. Vou dormir tarde (quase cedo para o dia de amanhã). A vida é breve demais para ser desperdiçada a cada instante...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...