Se esta é a sua primeira vez neste blog leia na coluna da direita as instruções!

31 de dez de 2009

Livro da vida

O que foi é página virada que quando ressurge é lembrança.
O que virá é página em branco que espera por ser escrita.
O agora é o vácuo da linguagem, o silêncio da atitude,
O agora está preenchido de vida.
De novos desejos vive o instante.

Feliz Ano Novo!

30 de dez de 2009

Quando leio, outro texto se escreve em mim

Quando leio, outro texto se escreve em mim, cuja as palavras me dizem coisas que antes eu não conhecia o desejo de dize-las.
Quando leio, outra história se conta em mim. A minha própria. Cujo teor antes se escondia.
Como fugir do que eu mesma quero me dizer, sem saber?
Quando leio, despertam no pensamento palavras que dormiam, adormecidas ficam enquanto não as escrevo. Não mortas, somente dormem esperando nova leitura que as permita dançar ao som de outras uniões de letras. Outros sentidos as fazem viver. Ainda que não tenham sentido algum são minhas. Cada palavra que escrevo também eu as sou. Inclusive estas.

Ansiedade de escrever

Sinto imensa ansiedade de me comunicar.
Minha voz interna nunca se cala e quando silencia,
Ainda assim quer falar.
Quero dizer coisas
Das quais um dia pretendo me orgulhar.
Pretendo escrever.
Pretendo ver...
Além do visto, além do lido.
Até não poder mais escrever.

28 de dez de 2009

As manhãs

Ele sempre gostava de nos acordar cedo, mesmo aos finais de semana. Eu e minhas irmãs ouvíamos sua voz anunciando o café-da-manhã que sempre trazia alguma novidade especial no sábado ou no domingo. Ou comprava pães de queijo, ou sonhos, e com sua alegria nos fazia levantar da cama para estarmos ao seu lado na mesa. Dizia:

- Pão quentinho, croissant de queijo, torta de frango...

Ele sempre descobria o que mais apetecia nosso paladar para tirar até o sono. Mal sabia que levantávamos mais para não perder um único minuto de sua companhia. Mesmo quando eu dormia tarde me assombrava a idéia de que o sono me privaria de viver bons momentos com ele e com a família. Valia a pena acordar mais cedo, cansada. Hoje é muito bom lembrar que vivi tudo isso com ele, por ele e por mim.

E eu continuo com a mesma mania. Se alguém que amo estiver acordado eu me esforço para não dormir. Não quero perder nem um instante ao lado da pessoa amada. Sempre parece que algo de especial pode acontecer quando eu estiver dormindo. Não gosto de perder nada! Quero vivenciar a vida de olhos e coração bem abertos e atentos.

23 de dez de 2009

Amor maior que a dor

Diante do falecimento do meu pai tenho sentido muito mais amor que dor.
Refletindo sobre isso pensei na seguinte provocacao, que vale para as ausencias fisicas de qualquer natureza:

"Se causa muita dor, desconfie do tamanho do seu amor".

O amor liberta. O amor e' a liberdade cuja a ausencia se mantem presa na gente.
Esse foi o aprendizado da ausencia dele. O meu amor o deixa livre para que viva, ate' mesmo a morte. E essa liberdade de que goza meu pai, que tanto amo, faz com que a ausencia dele seja uma presenca. Ele esta comigo. Eu sinto.

E' recente, mas ainda nao tive saudade, porque nao ha' como perceber a falta daquilo que existe e permanece. Sinto ele comigo. Aqui, por dentro, por fora, pelo sempre, pelo agora...

Agora meu pai nao e' mais carne, materia. A sua presenca se misturou com a minha de uma maneira que nunca antes tinha sentido. Agora somos inseparaveis. Eu nao preciso ouvir sua voz, sentir seu abraco, telefonar para saber como ele esta. Ele nao me faz mais falta, porque se misturou comigo. A voz dele se tornou minha propria voz interna. Nao tem timbre, so sabedoria.

Estou com ele como estou comigo, intrinsecamente, companhia inerente, alegria e seguranca que me faz melhor que antes.

Ele esta aqui como eu estou aqui, em tudo que sou, em tudo que me ensinou. Antes eu precisava ouvir o conselho dele, a opiniao dele, hoje o que ele diria faz parte de mim, nao e' palavra, e' carne, sangue e espirito. Indelevel.De tanto amor que sinto, nao ha espaco para a dor...

22 de dez de 2009

Último Depoimento de Nahim Ahmad

Copiei do blog da minha irmã, Adelita Ahmad, a transcrição da último depoimento escrito de meu pai. Nas palavras da minha irmã aconteceu assim:

Saindo da Casa Tomada, no segundo dia de performance, eu entro no quarto 912 do hospital 9 de julho. Ele me entrega o seu caderno de anotações e diz para mim: “Leia em voz alta”.

Eis o depoimento:

“Depoimento:
São 5 horas da manhã no hospital. Não cerrei os olhos essa noite. Experimento hoje a finitude do homem em todo o meu ser.
Respiro com um só pulmão e graças a Deus eu respiro.
Tusso a noite toda para me convencer que estou vivo e que jamais me deixarei levar pelo entreguismo, a maior tentação do homem doente.
Tenho repetido para mim mesmo que os homens não nasceram para morrer, mas para viver.
A morte será apenas a travessia de uma ponte.
Alguns minutos de inconsciência, porque do outro lado estará o espírito do tempo, da energia quântica e do infinito que a primavera criou dentro dos homens. Primavera de flores, frutos e imensidão incomparáveis porque o inverno, a estação da construção, já não existe mais.
Fascina-me cada vez mais a visão da luz, experiência que projeta os homens no tempo e no espaço de um mundo sem fronteiras e limitações, contornos e caras, moléculas e átomos.
Depois que recebemos a poeira das estrelas e o DNA das águias e beija flores não existe para os homens senão um caminho e um destino.
Voar em direção as constelações mais longínquas de todos os planetas. Porque é lá que mora o infinito dos homens, o conhecimento da terra, dos mares e de todo o universo”

Nahim Ibrahim Ahmad

Homenagens a Nahim Ibrahim Ahmad

Até hoje me surpreendo com homenagens ao meu pai. Como esta carta de uma mãe de alunos publicada no jornal Aqui:

PROFESSOR
Quando alguém muito especial parte, deixa uma lacuna que só o tempo e as lembranças ajudam a preencher. E o que hoje é saudade doída, se transforma em lembrança doce e suave. Assim, inicio esta minha homenagem ao Professor Nahim Ahmad, dizendo-me imensamente honrada por tê-lo conhecido há sete anos - quando buscava um colégio para matricular meus filhos. Um cidadão cuja paixão e crença no imenso poder transformador da educação, me contagiou imediatamente. Era uma manhã quente de primavera, em meados de novembro, quando pisei pela primeira vez na recepção do colégio. Os atendentes estavam todos muito ocupados e um jovem senhor, com as mangas da camisa dobradas, ofereceu-se para apresentar-me as instalações do colégio e, assim, iniciamos uma pequena ‘viagem' que jamais esquecerei. Impressionei-me com a enorme estrutura daquele estabelecimento. A proposta educacional me encantou, mas o que realmente me chamava a atenção era a erudição, o entusiasmo, a alegria e a crença inabalável no ser humano, que Nahim demonstrava sentir. Seus olhos brilhavam ao falar de seus sonhos de educador. Suas palavras saíam feito música, de fortes acordes, e retumbavam pelos corredores e recantos especiais do colégio. E foi ao afirmar, categoricamente que educação e amor jamais poderiam caminhar em separado, que compreendi que ali era o lugar para os meus filhos. Que naquele colégio eles iriam passar os 14 anos mais importantes de suas vidas e naquele dia, eu firmei comigo mesma o compromisso de mãe e de parceria com a educação de meus tesouros mais preciosos. Assim, nestes últimos sete anos, todas as minhas expectativas e de meus filhos têm sido alcançadas, por um esforço necessário e conjunto de um grupo de educadores e profissionais que, regidos por um grande maestro, declinam doces e intensos musicais. E hoje, entristecida por saber que não teremos mais as brilhantes palestras com as quais o professor Nahim nos brindava em todos os eventos do colégio. Sabendo que sua figura sempre cheia de vida e que seu semblante sempre cheio de brilho e sorrisos não mais nos acompanharam no dia a dia do colégio. Mesmo assim, não posso deixar de expressar toda minha satisfação por ter encontrado no Colégio Progresso o espaço precioso para o desenvolvimento dos talentos, das potencialidades e da felicidade de meus filhos. Assim, creio que a missão de professor Nahim apenas começou. Seu legado está aqui pulsante e presente em cada um de seus alunos, sementes plantadas e de seus colaboradores, zelosos cultivadores. Como mãe e educadora, rendo minhas mais emocionadas homenagens a esse ser humano sem igual.
JAQUELINE RUZA

Leia os comentários dessa matéria

16 de dez de 2009

Quando disseram que ele morreu

Eu preciso lembrar
Por medo de esquecer
Ele esteve aqui há tão pouco tempo
Faz tão pouco que seus olhos se abriam e fechavam
E que havia dor e também vida
Faz tão pouco e mesmo assim temo esquecer
Mesmo sabendo que lembrarei para sempre
Das mãos quentes, presentes,
Voz de palavras certas
Para preencher silêncios
Onde se dissipava a esperança
O olhar sábio para mim
Mesmo quando eu ainda era criança
E o ouvido
Por onde minhas palavras soavam como profecias
E ele as ouvia
Mesmo quando eu tinha apenas seis...
Parece ainda que posso vê-lo outra vez
Parece ainda que está aqui
Ao alcance do abraço
Fazendo no peito esse laço
Minha alma está atada
Minha mente está ligada
E ele vivo comigo
Meu pai
Mas também meu melhor amigo.
Como pode ter ido
Se ficou aqui dentro vivo?

15 de dez de 2009

Meu orgulho...



Um discurso recente do meu pai. Em 15/09/2009

Entre a saudade e a beleza

Eu não me pareço em nada com alguém que perdeu o pai.
Eu ganhei um pai, por trinta anos.
Lágrimas correm só de saudade, não de dor.
Só de emoção, não de sofrimento.
Impressiona-me notar o quanto ele é amado, admirado.
Entre a saudade e a beleza eu moro. Vivo feliz!

14 de dez de 2009

Obrigada!

Tantos e-mails, mensagens, comentários aqui no blog, no orkut, no facebook... Infelizmente não estou conseguindo responder a todos mas está tudo comigo, aqui dentro, me dando ternura para continuar e mais força para realizar o que me espera. Muitos sonhos pela frente! Obrigada!

12 de dez de 2009

Aviso

Aviso: A missa de setimo dia do meu pai será amanhã (13/12/2009) às 20h na Igreja Matriz em Guarulhos.

11 de dez de 2009

Meu pai foi, mas ainda está aqui...

Nahim Ibrahim Ahmad foi educador por mais de 50 anos. Nasceu no primeiro dia do ano 1936 em um lugarejo que não está no mapa, chamado Gurupá, que pertence ao município de Promissão, próximo de Lins, no interior de São Paulo. Ficou orfão de pai e mãe muito cedo e ainda adolescente iniciou seus estudos no seminário. Estudou Filosofia, Teologia na Universidade Gregoriana de Roma, fez estágio na Universidade de Louvain, na Bélgica e retornou ao Brasil após 5 anos de estudos na Europa. Ainda se formou em Direito e Pedagogia. Como padre sempre esteve ligado a educação, lecionando, mas também celebrou muitos casamentos. Com o tempo a vontade de constituir uma família se tornou cada vez mais latente e Nahim desistiu do sacerdócio para continuar sendo fiel a si mesmo e aos seus princípios. Nesta época recebeu o convite de uma amiga ex-freira, Zaira, para vir a Guarulhos onde juntos assumiriam a direção de uma escola. Foi em 1971. Da cidade Nahim nunca mais saiu. Uma vez viu uma moça passar e sentiu que se casaria com ela. Mas por anos não a viu mais. Quando conheceu sua esposa Avanil lembrou-se daquele instante ocorrido anos antes. Ela era a moça que vira passar. Meses depois se casaram e com ela Nahim realizou o tão profundo desejo de constituir uma família. Tiveram 3 filhas: Aline, Andreza e Adelita. Em Guarulhos Nahim edificou seus sonhos ligados a educação, ao esporte e a arte. Foi diretor-presidente do Colégio Progresso Centro, reitor da UNIFIG-UNIMESP e sempre se orgulhou do título de professor que carregou por toda a vida. Completaria 74 anos no próximo dia primeiro de janeiro. Foi um homem otimista, com uma contagiante vontade de viver que o fez surpreender a medicina e o destino que o câncer parecia escrever em sua vida. Desafiou a ciência e a história e provou que sua força, alegria e sabedoria eram capazes de fazerem nascer para ele novas manhãs. Era comum que trabalhasse após duras e longas sessões de quimioterapia, como se quisesse dizer ao seu organismo enfermo que o seu espírito estava saudável. E estava. A mente, a alma e o sentimento deste homem jamais se abalaram, eram motivo de exemplo e inspiração para todos de seu convívio. Seu pulmão parou de respirar, o coração parou de bater, mas de alguma forma indelével Nahim Ibrahim Ahmad continua vivo na memória e no intimo de todos que tiveram a felicidade de o conhecer.

Ele, de tão encantador que era, ficou encantado...

3 de dez de 2009

Entre a tristeza e a beleza

Meu pai, a pessoa que, ao lado da minha mãe, é a mais fundamental para que eu seja quem sou hoje, está hospitalizado... E eu, claro, estou triste.
Mesmo assim ainda encontro alegria em muitas coisas da vida, que é muito mais bela do que triste.
Meu pai continua sendo mestre e me ensinando a cada dia. Ainda agora acariciou meu rosto.
Acho que a minha ausência está justificada.
Orações sao bem-vindas!

26 de nov de 2009

Reflexões sobre o amor

O mundo não funciona de acordo com a linguagem do amor. O mundo funciona pela linguagem do dinheiro, do consumo, da riqueza material, do sucesso profissional. Até porque quem lidera o mundo são os homens e é pela visão dos homens que estão submetidas a julgamentos todas as pessoas.

O que fica dessa vida são as experiências de amor. ( É o que penso!) São os momentos e vivências que temos em que nos aproximamos deste sentimento sublime. Provavelmente só isso ficará eterno depois que não existirmos mais... Patch Adams viaja o mundo fazendo palestras e em nenhum lugar alguém foi capaz de discordar de que o amor é o que há de mais importante no mundo. Entretanto ninguém está disposto ou aberto a dedicar mais parte do seu tempo ao amor. Mas todos estão sempre dedicando mais tempo ao trabalho e a conquistas financeiras...

Quando uma pessoa não tem uma carreira brilhante ou dinheiro suficiente para poder se equiparar a outras pessoas de seu convívio social ela é considerada fracassada, ou porque não se dedicou o quanto deveria, ou porque é incompetente, burra, pouco persistente, preguiçosa, o que for. Entretanto ninguém considera fracassado aquele que dedica sua vida a qualquer coisa (obviamente menos importante que o amor, sendo que este é o mais importante) e vive sua vida sem amar.

Eu ainda não realizei nada de muito admirável nessa vida. Contudo, tenho certeza que experimentei o amor com inteireza, com magnitude. Ao amor eu me entreguei. Sempre busquei minha realização amorosa em primeiro lugar, sobreposta a qualquer outra coisa. O amor sempre foi o que de mais importante poderia existir para mim. Amar é o que de mais belo pude realizar até hoje.

Sono

Tanto sono.
Hoje fui conhecer um casal de amigos do meu namorado e acabei cochilando no sofa...

23 de nov de 2009

Atualizando

Meus olhos vão fechando quando a noite chega... Por isso abrem mais cedo.

Tenho dois textos para escrever e mais outras coisas para fazer. Junto a isso a vontade de dizer: obrigada pela visita!

Beijos de luz,

Aline***

22 de nov de 2009

Apenas

O horário é apenas um retrato por onde passam as horas.
O tempo é apenas um instante por onde ficam vivos os momentos.
A espera é apenas um momento por onde se cristaliza a demora.
A brisa é apenas um pedaço daquilo que se chama vento.

21 de nov de 2009

Fora de casa

Faz dias que não durmo em casa.
Pulando de galho em galho, de teto em teto.
Hoje descobri um afeto:
Nada preciso
Nada é muito certo.

Saí de casa com poucas mudas de roupa.
O que seria para dois dias
Uso por mais e mais...
Roupas não são mesmo necessárias.
Amor e afeto sim.

Dias

Dias ricos, belos, alegres e tristes.
Assim tenho vivido.
Muito mais alegres que tristes.
Tão ricos quanto belos.
Sorriso sempre.
Beleza e
Amor.

Coincidência

Muito do que acontece é imprevisível.
É tanto que a gente nem vê.
Tanto tempo sem escrever aqui.
Com saudade do contato.
Hoje em uma peça de teatro encontrei, por coincidência, minha melhor amiga.
A gente tinha que se encontrar.
E o destino assim fez.
Ela e eu também lá.
No mesmo lugar...

17 de nov de 2009

Sempre em frente

O amor passou pela minha vida. Depois voltou. Agora ficou.
Agora que o amor estacionou acho que outros aspectos da minha vida também estacionaram.
O amor vai ficar.
O restante logo mais andará, sempre em frente.

12 de nov de 2009

Formatura Infantil - roteiro 2009

Acabei de finalizar o roteiro da festa de formatura da Educação Infantil deste ano. Pode ser que passe por alterações mas a princípio será esse. O roteiro do ano passado é acessado muitas e muitas vezes por dia aqui no blog, através de buscas no google. Sei que deve estar sendo usado por muitas escolas. Esse poderá ser adaptado também. Apenas peço que citem a minha autoria. O tema da festa desse ano são as fases da vida humana.

(Vídeo sobre o nascimento)
Texto:
Tudo nasceu um dia
Uma flor, uma árvore, um amor, uma criança, a vida...
A vida nasce de um amor
Um amor que veio antes
Como um beija-flor que prova o néctar da natureza para fazer nascer pétala,
Como o brotar da flor e da árvore,
Para a vida também há semente
E a semente é o amor!

A vida germina no corpo da mãe por 9 meses
Depois vem a luz que antecede a colheita
Colhidos serão os dias do futuro
Como buquês de perfume que a vida concederá
O amanhã começa agora
Para cada ser há o início
O primeiro dia de uma longa história
A cada um cabe escrever
Depois de nascer
Os capítulos da sua própria vida.

Capítulo 1: Nascimento

(Coreografia do Nascimento)

Menino e Menina entram em cena vestidos de velhos, com bengala, óculos, xale, bigode, chapéu, andando curvados. Vão até o centro do palco.

Menino - (nome da menina), puxa, você se lembra daquele tempo quando começamos a estudar no Colégio Progresso Centro?
Menina - Como me lembro, (nome do menino), parece que foi ontem...
Menino - Também não exagera, (nome da menina)!
Menina - Mas parece mesmo! Lembro da Tia (nome da professora, ou professoras), lembro da Tia Lázara, Tia Adriana, Tia Mara...
Menino - E eu lembro do intervalo correndo, aliás elas cismavam em não deixar a gente correr no intervalo
Menina - E a aula de natação?
Menino - Bons tempos!
(os dois saem conversando em voz baixa)

Aparece no telão: Capítulo 2 - Infância
(coreografia da infância)

Menino e Menina entram em trajes normais de criança, o menino segurando uma bola e a menina uma boneca, podem ser outras crianças ou as mesmas que estavam caracterizadas como idosos.

Menino - Como vai ser quando a gente mudar para o "Progressão"?
Menina - Acho que vai ser bem legal!
Menino - Será que lá pode correr no intervalo?
Menina - Não sei, mas acho que nem vou querer ficar correndo.
Menino - Por que?
Menina - Ah, coisa de criança, a gente já vai ser adolescente!

Capítulo 3 - Adolescência (aparece no telão)
(coreografia adolescência)

Menina - Eu queria crescer logo, poder usar maquilagem à vontade
Menino - E eu queria poder dirigir, trabalhar.
Menina - Sério? Você gosta de trabalhar?
Menino - Deve ser mais legal que escola, lição de casa já é trabalho, não é?
Menina - É verdade, não tinha pensado por esse lado.
Menino - Deve ser bom ser adulto.
Menina - Casar, ter filhos, já pensou?
Menino - Também não tinha pensado por esse lado.
(Os dois riem e vão saindo do palco)

Capítulo 4 - Vida Adulta (aparece no telão)
(Coreografia vida adulta)

(Entram menino e menina caracterizados como velhos)
Menino - Você viu, (nome da menina), quanta coisa a gente viveu?
Menina - É verdade!
Menino - Quer saber? Eu viveria tudo de novo!
Menina - Eu também, não me arrependo de nada... E adoro continuar vivendo.
Menino - Mesmo agora? Porque de vez em quando a gente sente dor, fica doente mais fácil...
Menina - Mesmo agora, claro, amo viver! E gosto de viver ao seu lado depois de tanto tempo.
Menina - Também adoro viver ao seu lado!
(Os dois sorriem um para o outro, dão as mãos e saem do palco olhando nos olhos um do outro, como apaixonados)

Capítulo 5 - Velhice (aparece no telão)
(Coreografia da velhice)

Autora: Aline Ahmad

Zelador

Sim, eu já estou com saudade
E já me sinto à vontade para declarar o que sinto
Sem precisar provar minhas verdades

Sim, já estou com saudades
De um abraço e de um beijinho
Do seu dizer devagarinho
De despertar minhas vontades

Sim, já estou com saudade
Sinto uma falta tão gostosa
Coçando a pele das minhas costas
Em cócegas que o seu afago vai fazer morrer

Sim, é com esse amor que quero viver
Amor de acordar sorrindo
Mil carinhos, mil beijinhos
Ter seu sono como vizinho
E sua boca como zelador.

E assim nós dois juntinhos
Tendo seu abraço como ninho
E, para aquecer-me, o seu amor

Se falta tempo não falta vontade

Puxa, como eu gosto de escrever. Como gosto de me comunicar em palavras! Até quando não tenho nada a dizer...
A falta de tempo tem sido um motivo para a minha escassa participação neste blog. Escassa em comparação com o usual. Costumo escrever diariamente mas há algum tempo isto não tem acontecido, tão pouco há previsão de que venha a acontecer. Entretanto, ainda é um objetivo e prazer compartilhar o que penso e sinto com você, leitor.

9 de nov de 2009

De volta

De novo estou de volta ao Brasil,
À minha cidade,
À minha casa
Trago como novidade
Coisas raras
Dois sorrisos
A mesma cara
Se o mundo pudesse ser só isso
Eu nao precisava reclamar de nada...

2 de nov de 2009

Fora

Eu nunca morei fora de mim, so aqui dentro.
Dentro do meu casulo, onde entram as coisas que eu permito passagem.
Alguns amores ficaram do lado de fora. Outros entraram e nunca mais sairam, ainda que escondidos ou empoeirados em gavetas esquecidas.
Eu nunca morei fora do meu proprio mundo. E' um mundo que levo comigo ate quando saio do pais. Nunca morei fora dele...
Tenho um pais particular que abriga o meu sentimento. E' nele que eu vivo, onde quer que esteja.

Morar Fora

Eu nunca morei fora de mim, so aqui dentro.

1 de nov de 2009

Dancando no Parque









Tiradas no dia em que dancei em um parque de Seattle.

Essas sao para voce, mae! (Minha mae quer ver fotos)

29 de out de 2009

Por outros caminhos

Nas estrelas em que seus olhos repousaram
Depois de caminhos distantes
Que meus pes nao ousaram caminhar
Estavam elucidados meus recados
De palavras que nao pude pronunciar
`Aquele tempo...

27 de out de 2009

Passa

`A primeira vista a vida parece longa, mas passa tao rapido...

Outono em Seattle

Estou em Seattle preparando uma surpresa para o blog... So' conto depois!
Finalmente estou sentindo a cidade como ela costume ser durante a maior parte do ano. Muito frio, chuva, ainda assim beleza. O outuno deixa as inumeras arvores preenchidas por cores diversas que variam entre o verde mais claro, o amarelo-ouro, ate' o vermelho-cereja e os tons intermediarios.

25 de out de 2009

Viver o amor

Vamos viver o amor!
Um amor que todo mundo tenha vontade de viver.
Vamos ser felizes no amor!
De um jeito que todo mundo ja sonhou...
Vamos beijar, abracar, fazer carinho,
Como cada, e todo, ser humano merece!
E se, por um acaso, algu'em sentir-se sozinho
E' por deixar de olhar par esse amor que nos pertence.

Ate' daqui a pouco

Claudia, minha querida, do blog Cacarinas, quero agradecer aqui, publicamente a docura de seus comentarios!
Estou novamente em Seattle e com menos tempo para escrever. Vou compensar assim que possivel.
A todos que me visitam um caloroso abraco e beijos de luz,
Aline***

21 de out de 2009

Eu

Eu não tenho início
Nem começo
E no meio eu sempre me esqueço
De chegar ao fim

Eu não tenho história
Nem memória
Tudo que sou e faço
É o que dizem de mim

Eu não sou mentira,
Nem verdade,
Eu não faço alarde
Nem chamo atenção

Eu não tenho alma
Nem penso demais
Hoje o que me faz
É o meu coração.

20 de out de 2009

Versos de Brasa

De versos quentes como brasa
Intensamente tuas palavras vem
E voam mesmo não tendo asas
E trazem a ti também

Na música que jamais ouvi
Na poesia que não pude tocar
Nos beijos que a vida privou de ti
Mas todos, ainda quero te dar

És como o sopro da vida
Preenchendo a cura e a ferida
Com a alegria que sempre renasce

És o desmedir e a medida
O chegar e a despedida
E a esperança, de que nunca passe.

Sonetos de quem compõem versos

Escritos hoje, 20/10/2009, às 8:50
Faço versos como quem canta
E sinto que o universo destes carece
Faço versos porque me encanta
E porque é ainda mais mágico do que parece

Faço versos sobre as tardes
silenciosos e sem alarde
Faço versos sobre a noite, e sobre amanhã
E meus versos soam como avelã

Faço versos na chuva, sob trovoadas
Versos de uva, de limonada
Faço versos e nunca me canso

Ora são belos, ora são feios
Mas não me desencorajo de parti-los ao meio
E porque não recuo que sempre avanço

_________________________

Faço versos como quem canta
E sinto que o universo me escuta
Faço versos como quem brinca
Poesia não é labuta

Faço versos com sentimento
Versos para quem ouve e para quem fala
Ainda mais leves que o vento
Há verso que grita, há verso que cala

Faço rimas como quem joga
Medito rimas
Não pratico yoga

Faço rimas de fino trato
Para escrever bonito
É preciso tato

19 de out de 2009

Cecília Meireles - Cânticos

Encontrei uma jóia escrita por Cecília Meireles neste blog.

Extraído de “Cânticos”, Cecícila Meireles, Editora Moderna, 3ª edição, 1983.

I

Não queiras ter Pátria.
Não dividas a Terra.
Não dividas o Céu.
Não arranques pedaços ao mar.
Não queiras ter.
Nasce bem alto,
Que as coisas todas serão tuas.
Que alcançarás todos os horizontes.
Que o teu olhar, estando em toda parte
Te ponha em tudo,
Como Deus.


II

Não sejas o de hoje.
Não suspires por ontens . . .
Não queiras ser o de amanhã.
Faze te sem limites no tempo.
Vê a tua vida em todas as origens.
Em todas as existências.
Em todas as mortes.
E sabe que serás assim para sempre.
Não queiras marcar a tua passagem.
Ela prossegue:
É a passagem que se continua.
É a tua eternidade...
É a eternidade.
És tu.


III

Não digas onde acaba o dia.
Onde começa a noite.
Não fales palavras vãs.
As palavras do mundo.
Não digas onde começa a Terra,
Onde termina o céu.
Não digas até onde és tu.
Não digas desde onde é Deus.
Não fales palavras vãs.
Desfaze te da vaidade triste de falar.
Pensa, completamente silencioso.
Até a glória de ficar silencioso,
Sem pensar.


IV

Adormece o teu corpo com a música da vida.
Encanta te.
Esquece te.
Tem por volúpia a dispersão.
Não queiras ser tu.
Quere ser a alma infinita de tudo.
Troca o teu curto sonho humano
Pelo sonho imortal.
O único.
Vence a miséria de ter medo.
Troca te pelo Desconhecido.
Não vês, então, que ele é maior?
Não vês que ele não tem fim?
Não vês que ele és tu mesmo?
Tu que andas esquecido de ti?


V

Esse teu corpo é um fardo.
É uma grande montanha abafando te.
Não te deixando sentir o vento livre
Do Infinito.
Quebra o teu corpo em cavernas
Para dentro de ti rugir
A força livre do ar.
Destrói mais essa prisão de pedra.
Faze te recepo.
Âmbito.
Espaço.
Amplia te.
Sê o grande sopro
Que circula...


VI

Tu tens um medo:
Acabar.
Não vês que acabas todo o dia.
Que morres no amor.
Na tristeza.
Na dúvida.
No desejo.
Que te renovas todo o dia.
No amor.
Na tristeza.
Na dúvida.
No desejo.
Que és sempre outro.
Que és sempre o mesmo.
Que morrerás por idades imensas.
Até não teres medo de morrer.

E então serás eterno.


VII

Não ames como os homens amam.
Não ames com amor.
Ama sem amor.
Ama sem querer.
Ama sem sentir.
Ama como se fosses outro.
Como se fosses amar.
Sem esperar.
Por não esperar.
Tão separado do que ama, em ti,
Que não te inquiete
Se o amor leva à felicidade,
Se leva à morte,
Se leva a algum destino.
Se te leva.
E se vai, ele mesmo...


VIII

Não digas. "o mundo é belo”.
Quando foi que viste o mundo?
Não digas: "o amor é triste”.
Que é que tu conheces do amor?
Não digas: "a vida é rápida".
Como foi que mediste a vida?
Não digas: "eu sofro".
Que é que dentro de ti és tu?
Que foi que te ensinaram
Que era sofrer?


IX

Os teus ouvidos estão enganados.
E os teus olhos.
E as tuas mãos.
E a tua boca anda mentindo
Enganada pelos teus sentidos.
Faze silêncio no teu corpo.
E escuta te.
Há uma verdade silenciosa dentro de ti.
A verdade sem palavras.
Que procuras inutilmente,
Há tanto tempo,
Pelo teu corpo, que enlouqueceu.



X

Este é o caminho de todos que virão.
Para te louvarem.
Para não te verem.
Para te cobrirem de maldição.
Os teus braços são muito curtos.
E é larguíssimo este caminho.
Com eles não poderás impedir
Que passem, os que terão de passar,
Nem que fiques de pé,
Na mais alta montanha,
Com os teus braços em cruz.


XI

Vê formaram se sobre todas as águas
Todas as nuvens.
Os ventos virão de todos os nortes.
Os dilúvios cairão sobre os mundos.
Tu não morrerás.
Não há nuvens que te escureçam.
Não há ventos que te desfaçam.
Não há águas que te afoguem.
Tu és a própria nuvem.
O próprio vento.
A própria chuva sem fim...


XII

Não fales as palavras dos homens.
Palavras com vida humana.
Que nascem, que crescem, que morrem.
Faze a tua palavra perfeita.
Dize somente coisas eternas.
Vive em todos os tempos
Pela tua voz.
Sê o que o ouvido nunca esquece.
Repete te para sempre.
Em todos os corações.
Em todos os mundos.


XIII

Renova te.
Renasce em ti mesmo.
Multiplica os teus olhos, para verem mais.
Multiplica os teus braços para semeares tudo.
Destrói os olhos que tiverem visto.
Cria outros, para as visões novas.
Destrói os braços que tiverem semeado,
Para se esquecerem de colher.
Sê sempre o mesmo.
Sempre outro.
Mas sempre alto.
Sempre longe.
E dentro de tudo.


XIV

Eles te virão oferecer o ouro da Terra.
E tu dirás que não.
A beleza.
E tu dirás que não.
O amor.
E tu dirás que não, para sempre.
Eles te oferecerão o ouro d'além da Terra.
E tu dirás sempre o mesmo.
Porque tens o segredo de tudo.
E sabes que o único bem é o teu.


XV

Não queiras ser.
Não ambiciones.
Não marques limites ao teu caminho.
A Eternidade é muito longa.
E dentro dela tu te moves, eterno.
Sê o que vem e o que vai.
Sem forma.
Sem termo.
Como uma grande luz difusa.
Filha de nenhum sol.


XVI

Tu ouvirás esta linguagem,
Simples,
Serena,
Difícil.
Terás um encanto triste.
Como os que vão morrer,
Sabendo o dia...
Mas intimamente
Quererás esta morte,
Sentindo a maior que a vida.


XVII

Perguntarão pela tua alma.
A alma que é ternura,
Bondade,
Tristeza,
Amor.
Mas tu mostrarás a curva do teu vôo
Livre, por entre os mundos...
E eles compreenderão que a alma pesa.
Que é um segundo corpo,
E mais amargo,
Porque não se pode mostrar,
Porque ninguém pode ver...



XVIII

Quando os homens na terra sofrerem
Sofrimento do corpo,
Sofrimento da alma,
Tu não sofrerás.
Quando os olhos chorarem
E as mãos se quebrarem de angústia
E a voz se acabar no rogo e na ameaça,
Quando os homens viverem,
Quando os homens morrerem na vida,
Quando os homens nascerem na morte,
Na vida e na morte nunca mais
Nunca mais tu não morrerás.


XIX

Não tem mais lar o que mora em tudo.
Não há mais dádivas
Para o que não tem mãos.
Não há mundos nem caminhos
Para o que é maior que os caminhos
E os mundos.
Não há mais nada além de ti.
Porque te dispersaste...
Circulas em todas as vidas
Pairas sobre todas as coisas
E todos te sentem
Sentem te como a si mesmos
E não sabem falar de ti.


XX

Não digas que és dono.
Sempre que disseres
Roubas te a ti mesmo.
Tu, que és senhor de tudo...
Deixa os escravos rugirem,
Querendo.
Inutiliza o gesto possuidor das mãos.
Sê a árvore que floresce
Que frutifica
E se dispersa no chão.
Deixa os famintos despojarem te.
Nos teus ramos serenos
Há florações eternas
E todas as bocas se fartarão.


XXI

O teu começo vem de muito longe.
O teu fim termina no teu começo.
Contempla te em redor.
Compara.
Tudo é o mesmo.
Tudo é sem mudança.
Só as cores e as linhas mudaram.
Que importa as cores, para o Senhor da luz?
Dentro das cores a luz é a mesma.
- Que importa as linhas, para o Senhor do Ritmo?
- Dentro das linhas o ritmo é igual.
Os outros vêem com os olhos ensombrados.
Que o mundo perturbou,
Com as novas formas.
Com as novas tintas.
Tu verás com os seus olhos.
Em Sabedoria.
E verás muito além.


XXII

Não busques para lá.
O que é, és tu.
Está em ti.
Em tudo.
A gota esteve na nuvem.
Na seiva.
No sangue.
Na terra.
E no rio que se abriu no mar.
E no mar que se coalhou em mundo.
Tu tiveste um destino assim.
Faze te à imagem do mar.
Dá te à sede das praias
Dá te à boca azul do céu
Mas foge de novo à terra.
Mas não toques nas estrelas.
Volve de novo a ti.
Retoma te.


XXIII

Não faças de ti
Um sonho a realizar.
Vai.
Sem caminho marcado.
Tu és o de todos os caminhos.
Sê apenas uma presença.
Invisível presença silenciosa.
Todas as coisas esperam a luz,
Sem dizerem que a esperam.
Sem saberem que existe.
Todas as coisas esperarão por ti,
Sem te falarem.
Sem lhes falares.


XXIV

Não digas. Este que me deu corpo é meu Pai.
Esta que me deu corpo é minha Mãe.
Muito mais teu Pai e tua Mãe são os que te fizeram
Em espírito.
E esses foram sem número.
Sem nome.
De todos os tempos.
Deixaram o rastro pelos caminhos de hoje.
Todos os que já viveram.
E andam fazendo te dia a dia
Os de hoje, os de amanhã.
E os homens, e as coisas todas silenciosas.
A tua extensão prolonga se em todos os sentidos.
O teu mundo não tem pólos.
E tu és o próprio mundo.


XXV

Sê o que renuncia
Altamente:
Sem tristeza da tua renúncia!
Sem orgulho da tua renúncia!
Abre a tua alma nas tuas mãos
E abre as tuas mãos sobre o infinito.
E não deixes ficar de ti
Nem esse último gesto!


XXVI

O que tu viste amargo,
Doloroso,
Difícil,
O que tu viste breve,
O que tu viste inútil
Foi o que viram os teus olhos humanos,
Esquecidos...
Enganados...
No momento da tua renúncia
Estende sobre a vida
Os teus olhos
E tu verás o que vias:
Mas tu verás melhor...

18 de out de 2009

Café Filosófico

Adoro o programa Café Filosófico, da TV Cultura. O de ontem foi especial, com a poetisa e filosófa Viviane Mosé e a bailarina Dani Lima. Destaquei aqui alguns trechos:

"A exclusão social não é mais a roupa é a ruga". (Viviane Mosé)

"Todos querem seguir, ninguém tem mais coragem de dizer qual o rumo e a direção". (Viviane Mosé, sobre liderança)

"O que sai da escola nao é uma pessoa, são restos colados (...)O curriculo escolar se chama grade[!], as matérias se chamam disciplinas[!]." (Viviane Mosé)

"Viver no mundo contemporâneo é ter atitude". (Viviane Mosé)

"Uma vida não basta apenas ser vivida, precisa ser sonhada". (Mario Quintana)

"A vida é uma invenção nossa junto com a invenção dos outros". (Viviane Mosé)

"Nós não habitamos o nosso corpo nós somos o nosso corpo". (Dani Lima)

"Valorização do corpo não é o exercício, valorizar o corpo é a porção da vida que eu trago em mim". (Viviane Mosé)

"Somos um pensamento obeso em um corpo raquítico".(Viviane Mosé)

"Tudo é corpo e nada mais, a alma é qualquer coisa do corpo". (Nietzsche)

"Espaço é o que a nossa experiência faz dele". (Dani Lima)

"Sou do tamanho do que vejo". (Fernando Pessoa)

"O corpo não é um suporte para outras coisas , é tudo". (Dani Lima)

"O cérebro é um mero processador, como o Pentium, que processa e encaminha as informações captadas".(Viviane Mosé)

Através dos comentários recebi a dica deste adorável blog sobre o Café Filosófico.

17 de out de 2009

Sobre um tesouro

Pensei ter encontrado um tesouro
Achei que a vida tivesse me dado de presente
Enxerguei brilho, esmeralda, diamante e ouro
Por onde olhava, bem na minha frente

Por algum tempo fiquei enfeitiçada
E de tão feliz o tesouro era tudo que via
Mas o tempo passou, e quando acordada
Percebi que o tesouro não mais existia

Procurei-o dormindo, sonhando e sorrindo
Procurei-o como se soubesse que iria encontrá-lo
Mas de mim percebi o tesouro fugindo
Para um outro tempo em que pudesse ganhá-lo

E de longe ele brilhou
Mais que de perto
Só então me mostrou
Que não era assim tão certo...

Era um tesouro falso e sem valor
Assim é o amor
Se mostra primeiro como paixão
Cega o coração
Depois se vê como realmente é
Cabe a cada um escolher
O amor que se quer

Cabe a cada um escolher, perceber e notar
O que se quer para sempre, o que não se quer jamais
E, quem sabe, a uma conclusão chegar
Que mesmo pouco valioso o tesouro pode brilhar mais...
...Ainda mais

Decomposição

Preciso me decompor
Preciso me examinar por dentro
Preciso buscar a origem
Deste breve sentimento

Preciso porque incomoda
Preciso porque me molda
Preciso porque me machuca
Preciso para encontrar cura

O que brota por dentro não tem antídoto
Não tem remédio
O que brota e é ruim
Pode ser tristeza, pode ser tédio

Investigo o que sinto
Para curar-me do que me faço
A omissão que não minto
Impede o primeiro passo.

Ainda me incomoda,
Mesmo escrevendo...
Às vezes se resolve por si só,
Às vezes não.

Escrava do que não encontro

Sou escrava de rimas
Que procuro para enfeitar o que escrevo
Sou escrava de palavras que busco para colocar no que descrevo
Minhas idéias ficam fracas
Se tiverem que respeitar tamanho e linhas
Procuro o que não encontro
E fica pobre o que sinto...

Escrevo. II

Escrevo sem inspiração
Escrevo sem rumo
Sem história
Escrevo sem explicação
Sem explicar-me
Sem memória
Escrevo sem medida
Só dizer-me
Só contar-me
Sem exatidão
Sem regra
Escrevo porque meu corpo pede
Escrevo porque minh'alma obedece
Escrevo porque meus dedos coçam
Porque meus pensamentos roçam
Escrevo porque escrever quase me basta
Quando viver me afasta
Do que escrever me mostra
Escrevo como quem escreve o próprio nome
Escrevo como quem de escrever tem fome
Escrevo como quem não tem o que fazer
Escrevo como quem desiste de viver
Escrevo porque escrever me consome
Escrevo porque a dor de mim some
Escrevo.

Escrevo.

Se o dia está triste... Escrevo.
Se o dia está feliz... Vivo.
Se não tenho nada a dizer... Escrevo.
Se tenho algo a dizer... Esqueço.
Não posso ser diferente do que sou.
Mas e se penso que sou o que não sou?
Posso ser diferente do que penso que sou.
O que penso que sou... Escrevo.

Sobre o aviso do amor

Um dia ouvi um aviso aqui dentro
Era tão claro, e ao mesmo tempo tão baixo
Que para ouvi-lo com atenção
O aviso falou-me direto ao coração

Veio, devagar quase sem destino
Se olhasse para o aviso diria que era um menino
Trazia um recado do futuro
Do qual tinha certeza
Mas mesmo assim estava inseguro
Embora suas palavras fossem de total beleza

Dizia o aviso que o amor estava presente
Interpretei que dissesse sobre aquele momento corrente
Agora com as lições do tempo
Percebo que fui precipitada
O amanhã ainda estava se formando
Corria o risco de tornar-se nada.

Eu devia guarda-lo como jóia rara
Sem ater-me a sua mensagem clara
De dúbias interpretações e duplos sentidos
Acabou por confundir-me o coração e os ouvidos

O canto do amor não é para nele pensar
O canto do amor é um aviso para amar
Traz promessas de encanto e candura
Traz profecias de pontual lisura
Mas é preciso que não se tenha medo
E eu não tive, porém ainda era cedo
Para o amor que só hoje vive.

Se pudesse um muro esconder o amor

Viu, amor, eu não te disse?
Fechou-te em muros para que ninguém visse
Era a ti mesmo que escondia
E mesmo assim meu olho te via

Se pudesse um muro esconder o amor
Não existiria tijolos, nem concreto
Se pudesse um muro esconder o amor
O amor era de tijolos e não de afeto.

Do amor ninguém foge, mesmo que queira
Do amor ninguém foge, mesmo que tente
Se o amor só nasce na lua cheia
É porque cresce como lua crescente

Quando estou só

Quando estou só
Na minha carne não sinto textura
Quando estou só
Sinto na pele minha própria clausura
Que me repele de num breve amanhã
Sobre o teu corpo estar nua...

Continuo só...

Diwali - Festa Religiosa Hindu

Feliz Diwali!
Hoje é um dia muito especial para os hindus. É o dia de uma festa sagrada chamada Diwali, conhecida também como festival das luzes. Eles estréiam roupas novas e comemoraram com fogos de artifício e rojões a vitória do bem sobre o mal.
Para saber mais clique aqui.
Diwali é comemorado no primeiro dia do mês lunar Kartika.
Mais detalhes aqui, em inglês.

Para cumprir minha obra prometida

Veja só amor,
Já é seu dia!

Percebo que vou ter que recorrer
A antigas poesias
Para cumprir minha obra prometida
Porque temo perder-me em palavras vazias
Ainda que estejam preenchidas
Da inspiração que há pouco lhe dizia

Sempre são pequenas e singelas
Ainda que as escreva em demasia
E se olhar para mim e para elas
Verá que são água da mesma maresia...
(00:30 - 13/10/2009)

Lampejo de esperança

Sinto sua falta e ela é doce e gelada
E quente e súbita

Sinto uma pedra repousando em meu coração
E espero o tempo certo para que crie asas
E voe ao seu encontro.

Sinto um lampejo de esperança
Que revê o futuro sem as lágrimas do ontem

Você encanta meu riso
E faz cantar meu sentimento
E este canto soa como guizos
Que preenchem de alegria este momento

Ainda espero como esperei tanto
E tanto tempo
Ainda estou aqui contida em minha própria espera
Desprovida do espanto
E do contentamento...

Hei de buscar cada memória ensolarada
E construir com tijolos, cimento e amor
Uma nova morada para o que sinto

Porque o que sinto não cabe mais em mim.

9:23 AM - 3/5/2009

Carinho que une amor distante

Quando te faço gestos de carinho
Meus olhos sucumbem em pequenas gotas de emoção
Só de ouvir tua voz agora senti os olhos úmidos
E um compasso diferente no coração...
Só de imaginar-te receber meu doce presente
Para retribuir a doçura que minh'alma sente
Tudo em mim se fez sorrir
E ao seu encontro, amor,
Num breve instante eu pude ir...
(13/10/2009 - 15:07)

Com os beijos que enviei...

Nosso amor que é sempre lindo
Há de chegar a ti sorrindo
Com os doces beijos que enviei

E no beijos, amor, que ainda não dei
Guardo o que está me consumindo
E que por mim, a ti, sempre darei

Se o que estava fechado está abrindo...
Imagina o que está vindo!
O que jamais fui, ao seu lado serei!

(inspirado em Florbela Espanca, "Os versos que te fiz", 16:27 - 13/10/2009)

Na primavera floresce o amor...

Quero florir agora o teu recanto
Com flores da primavera
Que o teu amor trouxera

"E de repente do pranto fez-se o riso"
És tudo, tudo que preciso
E ainda mais do que eu quisera!

Amo-te tanto que meu coração dispara
Que a fresta obscura fez-se clara
Quando 'inda não sabia quem era...

Eras tu mesmo atrás da porta?
Antes de abri-la minh'esperança morta
Nem visualizava os sonhos que tivera

Como num sonho, tua imagem me apareceu
Trazia na face o teu sorriso
Lá estava 'inda conciso
Tudo que desejava era que fosse meu

Surgis-te a mim como um aviso
E pela surpresa do imprevisto
Nem teu próprio olho o leu

Anos depois como improviso
Sucedeu-se o só previsto
Por esta única pessoa: eu

O atraso sei porque era
Naquele dia por mais que quisera
Ainda não era... Primavera!
(13/10/2009 - 18:18)
Na primavera o amor floresce!

Sempre esteve aqui e eu não vi...

Na luz do ontem
Na promessa do amanhã
Na vida do presente
Sempre te encontro

Você sempre esteve aqui, amor, e eu não te vi?
Você sempre esteve aqui, amor, e eu não te vi...

Enquanto ele não vem...

Ele teria que sorrir baixinho
Chegar de mansinho
Sem que pudesse perceber

Teria luz no olhar,
Silêncio ao falar
Voz ao calar
E o que eu não podia ver...

Algo mágico escondido,
Um mistério velado.

Algo como um livro não lido
Ou um sonho inacabado.

Tocaria minha mão
Onde o tempo pára e permanece
De seu sentimento, uma canção
De seu amor, o que me aquece.

Guardado tudo que dissesse,
Como se gravado estivesse
Cada palavra, cada vírgula.

Desde o céu em que amanhece
Até a última estrela que anoitece
Seria sua.

Sem deixar que soubesse,
Que minh’ alma já era nua
Diante da presença que entorpece.

Meu dizer sem querer tocar você,
Tocou meu próprio coração
Seu dizer sem querer tocar o meu
Não lhe tocou então.

Doeu por dentro da minha tristeza
A sua recusa ao que nem havia pedido
Mas nela também mora a beleza
Grávida do mundo, e do que estivera escondido...

Será você, seremos nós? Quem habita meu ninho?
Ainda espero que chegue de mansinho... (8/06/2004)

Versos para o amor que ainda não há

Um poema para você?
Dez mil versos pelo seu amor,
Dez mil mundos entre nós?
Dez mil viagens que faria...

E você, seja onde estivesse,
Onde estaria,
em meu coração não teria saído jamais.

Em meu pensamento moraria seu nome
E em minha alma seu lugar...
Na minha música
Seu canto
E no meu cantar nossa história,
(Mesmo que ainda não tenha sequer acontecido.)(7/6/2004)

Para o amor vindouro

Mesmo quando vou dormir parece que você me acompanha,
e quando acordo também você está.
E na sua ausência eu encontro um pedaço do que sonho,
um projeto incerto de futuro, no qual obviamente você está.
Mesmo que não esteja comigo agora... (31/05/2004)

16 de out de 2009

Como as cores do crepúsculo

Penso em ti o dia todo
Com mágica doçura teu rosto aterrissa em meu pensamento
Com teu sorriso que brilha
E que motiva tudo que sinto

Amei-te antes do teu sorriso
Mas foi depois dele
Que você morou comigo

Sonhei-te sem saber-te
Como quem aguarda as cores da aurora
Sem notar o crepúsculo chegar
E tingir o céu com as mesmas cores

Busquei-te insaciavelmente
Como a noite busca a luz
Por horas, antes do amanhecer

E muitas noites preencheram o vazio da tua ausência
Quando as estrelas eram lágrimas que suplicavam nossso encontro.

Muitas luas encheram e minguaram no infinito do horizonte,
Vênus deu 4 voltas ao redor do Sol
E foi o suficiente para que meu sentimento ficasse esquecido
Era como se dormisse solitário e calmo...
Só que na velocidade de um sussurro
Que rompe o silêncio
Você me reapareceu
E a mesma força abrupta e rara
Com que teu sorriso havia golpeado
(e depois) abraçado a minha alma
Atropelou as minhas horas
Edificou uma nova história
Em que a sua e a minha se misturam
Entrelaçadas pela vontade
Renovadas pela saudade

Embora ainda respirem o ideal
Anseiam por expirar o real
Quando ideal e real forem uma coisa só,
Uma vida só, um corpo só... Eu e você! (5/5/2009)

15 de out de 2009

Feliz Dia dos Professores

Hoje é Dia dos Professores.
Meus pais foram professores, eu já fui professora, trabalho entre professores, então por menos que este dia específico signifique para mim a figura desta profissão me inspira muito. Não valorizo tanto estas datas a não ser pelo fato de provocarem uma ocasião para expressarmos o que não expressamos sempre... Aqueles que realmente amamos são amados todos os dias e não uma vez ao ano, mas se pudermos agregar ainda mais amor naquele dia, para mim, é válido.

Hoje, no colégio, comemoramos com um café da manhã especial para todos os professores, eles ganharam um presentinho e meu pai ofereceu algumas palavras: "Hoje não importa Piaget, Dewey ou qualquer outro pensador da educação, hoje quem faz a educação são VOCÊS, nas salas de aula, com os alunos... É a vocês que homenageio hoje!"

Jeito de amar

Cada um tem um jeito de amar.
O meu começa com o coração.
A alma, a mente e o corpo vem depois...

14 de out de 2009

Make a wish - Faça um pedido!

Sou encantada por este projeto!

A minha fama de leitora voraz

Não me julgue por um raso olhar.
Faz pouco tempo descobri que não gosto tanto assim de ler. O que me encanta é o saber. A leitura para mim é difícil. Demoro. Tenho dificuldade de me concentrar, de terminar, leio muito devagar e poucos livros conseguem prender a minha atenção. Foi só refletindo sobre isso que descobri.
Mas sempre amei os livros, livros sempre me inspiraram desejo. Tenho interesse, quero olhar, quero ler (nem sempre consigo!). Minha fantasia é, diante de uma prateleria de livraria - de poesia ou filosofia, de preferência - absorver tudo que está escrito com o toque dos dedos acariciando as brochuras. Seria maravilhoso! Por gostar tanto assim e de tantos assuntos já fui muito consumidora de livros. Não resistia, comprava vários e acumulava um em cima do outro, na fila para serem lidos. Até que me toquei que não dava conta. Desenvolvi outra técnica aproveitando os benefícios da tecnologia telefônica dos celulares com câmera. Agora fotografo os títulos que gosto e resisto firmemente o impulso da aquisição de mais uma obra. Antes eu achava que tinha que comprar, que depois jamais lembraria o autor, o título, e que ia perder uma jóia rara, informações valiosas para minha alma ou para o meu prazer. Continuo achando, mas ao invés de acumular os títulos em casa eu os deixo na livraria esperando um momento oportuno...
Mesmo assim tenho fama de leitora voraz. Confesso que contribuí com a fama, não foi maldade, é que meus amigos sempre me veem com livros em punho andando para cima e para baixo(às vezes mais de um, "quem sabe paro em uma sala de espera e, vai que precise diversificar"), se não os leio me fazem companhia, oras.
Adoro receber livros de presente, prefiro os de poesias, ou crônicas, infelizmente não aguento ler páginas e páginas sobre o mesmo assunto. É uma pena, eu sei. Tenho me esforçado. Quanta emoção deixarei de passar sem enfrentar as centenas de folhas de Garcia Marquez, Machado de Assis, Guimarães Rosa. Entretanto há algo que invejo mais do que a quem consegue ler tantas páginas: quem as escreveu. Ô, inveja! Gosto mesmo é de escrever.

Escrever me faz feliz

Ontem parece que escrevi tão pouco aqui no blog. Na verdade passei o dia todo escrevendo. Isso me fez tão bem. Passei a refletir que poderia ganhar a vida assim e seria muito feliz...

Hoje recebi um e-mail me notificando sobre um comentário no blog. Era de uma pessoa de Rondônia, responsável por uma escola que vai usar um texto meu na Formatura da Educação Infantil. Fiquei muito feliz e envaidecida. Minhas palavras vão viajar para uma terra em que ainda não estive. Um pedaço meu vai também!

13 de out de 2009

Feliz Aniversário, Paulo!

Hoje é aniversário dele!
Feliz aniversário, meu amor!
Mesmo longe estou com você e você está comigo!

Casamento aos 80

Minha família acabou de receber um convite de casamento de um senhor amigo nosso que já deve ter mais de 80 anos. Fofo!
A vida é sempre nova para quem tem alegria de viver (e amor) no coração.

12 de out de 2009

De onde vem a inspiração

Como você pode duvidar da inspiração
Se ela vem fácil
Embora você tenha sido difícil?

Como você pode duvidar da inspiração
Se eu a encontro na sua voz
Que soa como canção?

Ela vem fácil
Porque depois você também veio.

É tão bom estar vivendo com você esse meio...
De um relacionamento que nem chegou perto da metade
Mas que de tanto sonho dentro dele
Faz pensar que chegou tarde.

Como devia ser o amor...

Uma única imagem atingiu meu olho
Era um sorriso
Era também um tiro
Era tão violento
Que pegou em cheio
Como seta bem no meio
Atingiu profundo o meu coração.

Naquele dia,
De um passado já distante
Roubou-me a alegria
E a esperança que eu guardava antes
Agora a alegria era só dele, só para ele,
E a esperança nem mais existia
O que ela esperava naquele "agora" acontecia
E mesmo tendo se preparado tanto
Nem mover-se conseguia
O controle dela fugia
Era a paixão chegando
Enquanto ele sorria...

Por dentro eu não entendia:
"Como é que podia?"
Sentimento assim devia acontecer
Só em duas vias
Pra não fazer sofrer.

Era assim que eu tinha sonhado
O sentimento como seta
Acertando os dois lados.

Nem imaginava tanto atraso...

O amor devia ser sempre assim
Crescendo em dois tempos
Conjuntos e compassados
Como música
Sem instrumentos desafinados.

O amor devia vir sem ferimento
Sem lamento
Sem dor
Devia vir só sorriso
Sem sofrimento,
Só amor...

Quem sabe no amanhã do amor
Que a gente nunca sabe qual é o dia
Pode ter sido ontem, daqui uma semana
Ou anos adiante...
Quem sabe no amanhecer deste futuro instante
Enfim se conceba a coincidência gestante
De que no olho atingido por um sorriso
Caiba a promessa que a boca não disse
Que era um convite ao acalento
Assim, que o outro olho também seja atingido
Os dois. Exatamente. No mesmo momento.

Comparação

Pablo Neruda escreveu uma centúria
Em versos de madeira
Compostos de 14 tábuas

Comparar-me ao mestre só me traz lamúria
Meu talento é de extrema penúria
Meu poemas são de água

Sobre minha palavras
Nenhuma idéia se sustenta
São mais leves que a terra que lavras
E que se levanta quando venta

Mas não importa a qualidade da poesia
Importa o sentimento que a inspira
Em grande quantidade neste dia
É o meu amor que aqui respira

Entre o coração e a razão

O coracao nao tem tempo
E se tem, nao e' o nosso
E' um outro...


O coracao nao tem razao
(Nao a razao da mente)
O coracao esta com a razao
Mas a razao nao esta com ele


O coracao nao pensa
O coracao so sente
Sentimento nao se julga
Quem julga e' a mente
Quem julga mente


O coracao e' a verdade
Ate' quando a razao desconhece
O coracao sabe
Sentindo sabe mais
Sentindo pensa menos


Escrito em Los Angeles, 'as 22:28, 08/08/2009

Internet

Internet é alternativa para a solidão.
Aqui eu me sinto interligada.

Dia das Crianças

Liberte a criança que há em você!

Quem é você? Não me deixe só!

Tenho muita vontade de saber quem é que me visita por aqui...
Se você gosta do blog e quiser deixar seu recado eu agradeço. Clique em "Sinais de Leitura" logo aqui abaixo e me fale seu nome, onde você mora e o que mais gosta no blog, você pode dar uma sugestão de tema para que eu escreva um texto ou poema sobre o assunto, se quiser.

Beijos de luz,

Aline***

11 de out de 2009

Notou?

Já notou que seguro você comigo?
Notou que invento conversas sem sentido?
Que não sei se vou ou se fico?
E que depois tudo que penso publico?

É a ansiedade de lhe ver um pouco mais.
De guardar o maior número de imagens
Que minha mente for capaz.

Não faço segredo do que sinto
E de você não percebo menos
Será enorme o afeto
Quando juntarmos tudo que temos

Aniversário

Depois que o dia chegar,
Quando já não tiver números para contar
Depois de tantas horas acrescentadas
Depois de tantas histórias vividas e contadas
Ainda lhe faltará a maioria
O futuro está grávido de alegria!

É só isso que te espera
E uma borboleta como companhia...

Faltam 2 dias

Faltam 2 dias e eu aqui tão longe. Vai ser só um aniversário. Mais um.
Queria estar com você, cantar parabéns, te abraçar...

O sol e o humor

Ontem tive um dia melancólico. Horas de instronspecção que combinavam com o frio que fazia lá fora.

Uma vez soube de uma pesquisa dizendo que o sol exerce influência no humor das pessoas. Gosto mais do dia que das noites e confesso que dias de sol me fazem mais alegre. Gosto do frio, mas quando o sol está presente. O céu nublado me desencoraja a sair de casa. Dias de sol me fazem imaginar pessoas sentadas em mesas na calçada, aproveitando o ar livre e a sombra das árvores. Essa imagem vem seguida por uma vontade de estar lá, compartilhando o prazer dessas pessoas.

Contudo, ontem foi um dia sem sol, também metaforicamente. Sem luz, até para mim mesma. Passei por situações um tanto quanto desconfortáveis, embora simples e corriqueiras como ficar sozinha e não sair de casa em pleno sábado. Os finais de semana me trazem essa obrigatoriedade implícita que eu mesma me imponho. A de aproveitar fazendo as coisas que mais gosto, das quais estar sozinha e não sair de casa nem de longe fazem parte. Entretanto a noite me traria uma novidade. Saí para jantar com meus pais e uns tios e primos que não via há anos. Uma família muito doce e delicada cuja companhia e o afeto fazem falta na distância, até quando não notamos. Voltei para casa alegre depois de ter me relacionado, ouvido, falado, conversado.

Assim como o sol as pessoas também exercem influência no humor de seus semelhantes.

10 de out de 2009

Coragem de viver

Sou sensível.
Com as pessoas que amo eu simplesmente não sei controlar o choro.
Às vezes fico magoada com bobagens que não tem significado.
Mas o que posso fazer?
Também tenho dentro de mim uma vontade imensa de aprender.
A aprendizagem sempre me encanta na dor.
Busco sempre transformar dor em oportunidade de aprendizado.
Só que na maior parte das vezes eu me envergonho por me entristecer com bobagens.
Eu me envergonho por dores que não merecem lágrimas.
E, neste caso, tento aprender mesmo assim. Tento me perdoar por uma fragilidade que não julgo combinar comigo. Busco observar a força que guardo. Porque o que para uns é fraqueza, para outros é força.
O que para uns é medo, para outros é coragem.
A mesma atitude pode ter múltiplos significados. Pode ter variadas facetas.
Existe a coragem de enfrentar um desafio mortal. E a coragem de nào se arriscar para continuar vivendo. Ambos podem ser corajosos. Ambos podem ser medrosos.
Podemos considerar medo o que nos detem diante da eminência da morte. Ou medo da vida, daquele que não teme morrer. Pode ser que tema viver...

Sim, posso até ser frágil, ou fraca, mas também sou forte o bastante para assumir e expressar quem sou. Eu não gosto de expor minhas fraquezas mas já que acontece eu uso isso como força. Faço disso a minha coragem. Não chamo de arma porque não vivo armada, nem pela vida, nem por dentro de mim. Se tivesse algum objeto para segurar seria uma flor, uma rosa. É o máximo que trago na mão, quem sabe perfume o caminho ou a entregue a alguém. E que ela traga sorrisos aos que sentirem o exalar de sua beleza.

Solidão

Eu não gosto muito de ficar sozinha.
Aliás não gosto nem um pouco.
Talvez escrever publicamente seja a minha forma de compartilhar o que não sei guardar para mim mesma.
Muitas vezes escrevo em momentos de solidão. Escrever é um ato solitário. E o simples fato de imaginar que alguém pode se debruçar em minhas palavras faz com que eu me sinta menos só. Adoro a companhia silenciosa dos olhares que me miram aqui.
Enquanto escrevo parte da solidão se desgruda do meu corpo.

9 de out de 2009

Perigo

Qualquer hora eu conto e publico,
Algumas verdades que guardo comigo
De algumas pessoas é melhor ser só amigo
Dentro do amor muitas vezes mora o perigo.

Mais importante que amar

De tanto amor que ofereço às vezes nem é merecedor
Há coisas mesmo mais importantes que o amor:
Ir ao trabalho
Estudar
Fazer os afazeres do lar
Tudo deve ser melhor que amar.
Só assim se justifica
Desatenção, ausência e indiferença
Que diferença faz?
Atenção, carinho, presença,
Acabam com qualquer carência.
Mas de longe é tudo mais difícil
De longe é tudo sacrifício
Resta somente esperar...
Há certeza de que tudo vai passar.

Um belo dia resolvi mudar...

As cores e o layout do blog refletem as mudanças que estão acontecendo aqui dentro.

Quando razão e emoção não conseguem conversar

Eu poderia ficar quieta, calada, e você nem ia saber. Mas o que faço com esse veículo em que escrevo, e me comunico, é também me comunicar com você. Entre desabafos e palavras que saem sem pensar ficam aquelas que meu coração não queria contar e mesmo assim diz: nem em todos os momentos eu sou feliz.

Minha razão entende coisas que meu sentimento não.
Não adianta saber se sinto diferente. O saber não controla o que sinto.
Seria tão mais fácil...

Sonhos

Há algum tempo tenho reparado em meus sonhos. Aqueles que tenho à noite, com os olhos fechados. Procuro anotar o que vejo, o que sinto, o que lembro. Tenho quem me ajuda a interpretá-los. Impressionante como algumas cenas são, de certa forma, recorrentes, só que sempre surgem com diferentes imagens. Minhas irmãs estão sempre presentes nas tramas que vivencio dormindo. Sei que elas representam apenas aspectos de mim mesma. Alguns sonhos já ficaram mais claros para mim, outros ainda estão com significados ocultos. Aqueles que se tornam pesadelos me deixam aterrorizada ao acordar... Preciso de coragem para voltar a eles. Mesmo sendo apenas sonhos são muito, muito reais. Preciso voltar para decifrar o enigma do que querem me dizer sobre mim mesma.

8 de out de 2009

40 anos do Colégio Progresso Centro

No dia 15 de setembro, o Colégio Progresso Centro comemorou 40 anos de existência. Esta é uma história que se mistura com a história da minha vida e da minha família. Na festa a nossa Orquestra Sinfônica, com 100 violinos, em sua maioria crianças se apresentou. Nossa aluna Paula Eduarda, a Duda, cantou. Meu pai discursou. Nossa companhia acrobática fez evoluções, nossa banda marcial desfilou... No final fogos de artifício. Tudo em plena rua, aqui nesse vídeo:

7 de out de 2009

Amor da natureza

Acabei de te escrever um poeminha
Ficou um tanto simples e de poucas linhas
Mas é um com doce alegria que te ofereço
E é talvez porque escrevo que te mereço

Porque se assim não fosse eu não te tinha
Se enxerga tanta beleza que nem é minha
É porque tens no olhar o mesmo encanto
Que transforma em riso o que era pranto

E nasce desse amor a própria aurora
Iluminando a fauna e também flora
Sem esquecer de ouvir o que há por dentro
Também nas florestas se ouve alguns lamentos

É porque ficam tristes e sem sentido
A natureza é morta sem pedido
Se no olhar para ela não houver
O encontro de um homem e uma mulher

Seremos desta história os personagens
Para fazer nascer a paisagem
Que a humanidade já não maias podia
Viver sem a beleza que lá havia

Nos verdes prados e árvores da floresta
Estavam as testemunhas de uma festa
Que sem dois personagens era triste
Porque guardavam neles toda luz que existe...

Às vezes a paixão é mesmo louca
Contudo é pior que seja pouca
Pois quando é criadora e há tanto sonho
É só para aproximar-se do que proponho

Um céu de outros princípios e outras estrelas
Para querermos olha-las e não ve-las
Porque ver não é melhor que rir
O melhor da natureza é o sentir!

Quando você não está

Quando você não está eu sinto saudade
E uma forte vontade de ter você ao meu lado
Mas se você está a saudade não acaba
Em meu peito desaba a cor da verdade
De ter com você começado
o início do que não quer ter fim

Quero ter você para mim
Quero dormir e acordar
Quero seu sorriso a me iluminar
E sua voz em meu ouvido

Quero você como marido
E seu olhar na nossa vida
Sempre a dois para ser bonita
Sempre linda...

Florbela Espanca - Os versos que te fiz

Adoraria ter escrito esse poema da poetisa portuguesa Florbela Espanca. Quanta beleza e doçura!

Os versos que te fiz

Deixa dizer-te os lindos versos raros
Que a minha boca tem pra te dizer!
São talhados em mármore de Paros
Cinzelados por mim pra te oferecer.

Têm dolência de veludos caros,
São como sedas pálidas a arder...
Deixa dizer-te os lindos versos raros
Que foram feitos pra te endoidecer!

Mas, meu Amor, eu não tos digo ainda...
Que a boca da mulher é sempre linda
Se dentro guarda um verso que não diz!

Amo-te tanto! E nunca te beijei...
E nesse beijo, Amor, que eu te não dei
Guardo os versos mais lindos que te fiz!

Florbela Espanca

Feliz

Estou feliz.
A felicidade é irracional, complexa, ao mesmo tempo simples.
Só que se a gente for explicar... Complica!

6 de out de 2009

Leve como pluma

Uso um e-mail há mais de 7 anos. Era um e-mail profissional, mas eu o usava também de forma bastante pessoal. Tinha guardado nele históricos de conversas com algumas das pessoas mais especiais que passaram em minha vida. Tinha arquivos de escritos meus, de poesias, de textos longos, de fotos... Muita memória misturada a coisas menos importantes também. Muita beleza em meio ao lixo. Ah, mas meu coração ficou cortado hoje... Já há algum tempo todos do trabalho foram transferidos para uma outra conta de e-mail e cancelaram esse sem me avisar. Ainda tentei ligar a empresa responsável para tentar recuperar minhas mensagens mas foi inútil. Já estava tudo deletado. Um tesouro que guardava não existe mais. Um tesouro de palavras...

Entendo isso como algo que tinha que acontecer. Não existe mais memória. Agora só há uma folha em branco para que eu reescreva toda a história. Porque lá estava parte da história da minha vida, do meu passado. Por adorar escrever, o que se perdeu tinha um valor muito especial, carregado de significado para mim. Agora se foi.

Um brinde a esse recomeço, às novas palavras que virão, às novas inspirações. Agora sou uma pessoa sem bagagem. Foi contra a minha vontade, mas de repente fiquei leve, suave. Agora sou pluma! Sou toda presente, com o futuro a frente.

5 de out de 2009

Viva a Marmita!

Hoje a Rosana Hermann publicou um post sobre a marmita. Achei interessantíssimo comentar aqui também porque notei que fora do país levar marmita para o trabalho não tem nada demais, é sinal de preocupação com a procedência do que será ingerido, e se for economia também ninguém acha feio. Aqui no Brasil parece que não é muito nobre comer marmita. Tem gente que sofre para pagar contas de restaurante para não sofrer o constrangimento de levar o marmitex para o trabalho. A proximidade do lugar onde trabalho me permite almoçar em casa mas confesso que estou muito atraída a levar minha marmitinha e, quem sabe assim, provocar uma reflexão nas pessoas. O certo é ser livre! Alimentação saudável e economia não fazem mal, fazem bem e libertam a gente de padrões irracionais.

4 de out de 2009

Disciplina com alma

"A vida é feita com a disciplina de um atleta e a alma de um poeta".
(João Carlos Martins)

3 de out de 2009

Torre de Babel

Às vezes a gente tem que ficar quieta, se calar, se recolher,
Porque nem sempre o que a pessoa vai ouvir é o que a gente quer dizer.

Às vezes tenho um ímpeto de comunicar um amor, uma dor, um afeto, um ódio,
Mas o fato é que o que vão receber será transmutado por uma interpretação
poucas vezes fiel ao que eu queria dizer.

Não adianta a intenção ser boa
A ternura ser grande
Pode ser até que a confusão more aí.

Homens e mulheres tem jeitos diferentes de expressar sentimentos.
As pessoas em geral são diferentes.
Cada um lê a expressão do outro de acordo com a sua própria linguagem.
Seria o mesmo que ouvir o inglês e tentar entender o som sem traduzir para o português. Como a palavra "can" que é o verbo "poder" em inglês e que tem som de "quem". No campo das emoções tem gente que ouve "can" e entende "quem". Algumas vezes os significados podem ser opostos, no mínimo são sempre muito diferentes. É a linguagem de cada um. A gente sempre pensa que o outro fala a mesma língua. Mas cada um fala a sua, sobretudo na esfera dos sentimentos.

As palavras até podem ser objetivas, mas as interpretações são subjetivas. As atitudes, gestos, expressões faciais e entonações de voz não estão no dicionário. Cada um entende o que quer, com o próprio vocabulário acumulado na vida...

2 de out de 2009

Harold Bloom

Estava ssistindo o "Provocações" na TV Cultura e Antonio Abujamra terminou o programa com esse texto de Harold Bloom:

"Cheguei ao limite de minhas capacidades intelectuais. Percebo que poderei perdê-las a qualquer momento. Além disso, perdi muita gente querida, amigos e parentes. Eu, que tive uma atividade de reflexão, estudo e ensino, rodeado de pessoas que amava, me vejo cada vez mais solitário. Quando vivemos uma crise assim, a sabedoria vai embora e perdemos o rumo de nossas reflexões.


De que valeram os 31 livros que publiquei? O que sobra de tudo o que a gente aprendeu, num momento-limite? Saí à procura de um tipo de sabedoria que me ajudasse a suportar a velhice e compreendê-la com serenidade. Só encontro consolo quando recito baixinho, para mim mesmo, os poemas que sei de cor. A repetição é uma forma arcáica de conhecimento,mas eficaz, quando se vive num momento de domínio da tecnologia e do consumismo. É repetindo esses poemas que aprendo coisas importantes sobre mim próprio."
(Harold Bloom)

Rio 2016

Hoje fiquei muito feliz com a vitória do Brasil para sediar a Olimpíada de 2016 no Rio de Janeiro. O vídeo da campanha, que já postei aqui no blog, é tão emocionante que sempre me emociono e fico arrepiada ao assistir. Fernando Meireles, nosso diretor premiado e reconehcido, foi quem dirigiu. Só fiqui sabendo hoje, demorou 4 meses para ser feito. Dizem que muitas pessoas choraram também ao assistir o vídeo na Dinamarca, enquanto aguardavam o anúncio. Eu não posso ver imagens de brasileiro feliz que eu choro... rsrsrs

1 de out de 2009

Pequenos Gandhis



Hoje Gandhi faria 140 anos. Crianças se vestem como o mestre. Veja aqui!

Coisa Certa

E porque vemos logo novas descobertas
E parecem que nos levam a escolher as coisas certas
É que sinto ter neste instante encontrado
Tudo aquilo que havia procurado

São sempre a essas conclusões que chegam os enamorados
Sem discussões, sem textos, de olhos cerrados
Enquanto trocam beijos e dizem segredos desavisados
Em festejos de amor quando adormecem acordados.

Trago a ti este buque feito de palavras e de poesia
Com rosas colhidas em prados de letras e de harmonia
E nelas tento combinar rimas que seduzam os olhos que tanto desejo
Para olhar na direção que olham e enxergar o que sozinha não vejo

Escondi-me tanto que jamais soubeste meu sentimento
Busquei-te antes e de minha busca compus meu drama
Vi todas palavras serem jogadas ao vento
Então chorei-te, como quem chora p'ra encontrar quem ama

No presente tudo mudou
És um tesouro sem papel que vem dourado como chama.
No presente me ganhaste
E eu a ti tornei-me sagrada e profana,
É a tua voz que ouço
E é meu nome que chama.
É teu abraço que enlaça
E teu saber que me ensina
É tua música que me toca
E minha inspiração que te fascina
E sou feliz agora
Pelo amor que me destinas

No trilhar do amor

Tu me ouves e tua atenção me ilumina
Te leio amores em versos de poucas rimas
Palavras-flores que cobririam uma campina
Te dedico nas cores do meu sentimento de menina.

De um tempo que assim tu me vias
(E por mim nada sentias)
Havia eu de sentir duplamente
A ternura que te presenteava
E que em ti não existia...

O anos foram como o vento desmanchando dunas
Fazendo-te escolher esta e não umas
Em versos desta removível areia
No deserto da distância
Esperamos noites de lua cheia.

Em encontros de esperança
Unimos sorrisos de criança
E planejamos futuros em centelhas

No amanhã da bonança
Depois da forte tempestade
Provamos os frutos da lembrança
E sentimos o gosto da verdade.

Agora olhar-te enquanto me olhas fundo
E no olhar tens por mim afeto maior que o mundo
É ter depois da dor a recompensa
Que meu corpo sente e minh'alma pensa:
Ama-me!
(9:51 AM - 1/10/2009)

30 de set de 2009

História de Amor

A vida é quase doce
Como a estrela que quero contar ao teu ouvido
E quase bela, me iluminando a face
Como um beijo teu, meu mais querido.

Tenho centenas de páginas
Escritas de dor
Onde derramei amor
Sem encontrar sentido...

Quando passaram-se anos
A recompensa bem-vinda
Feita de panos
E de uma estampa linda
Vestiu-me de sonhos
Que eu já não tinha mais,
Enquanto refletia cores de raros cristais.

Olhei teu encanto de novo na estrada
Inspirando outro pranto, agora de alegria
Buscando entre retratos a nova namorada
Encontrou no meu canto aquela que queria.

E de esperar-te tanto, quando minh'alma desistia
Ouviu de novo o canto que em tua voz me pedia
Que viajasse a ti e ao teu lado ficasse
E contigo construisse castelos de amor
Que o vento não derrubasse

Recebeste com flor a promessa vindoura
E regaste com carinho e beijo
O jardim de sentimento,
O mundo novo deste ensejo.

E por fazer de novo sorrir
Aquela que em tua ausência havia chorado
Que será efêmero o partir
E eterno o encontrado.

Ontem

Meu blog é meu diário (às vezes me pego em justificativas para falar sobre as banalidades de ser eu, falo delas porque é isso que se costuma fazer com liberdade ao escrever um diário).

O Wagner, namorado da minha irmã, Andreza Ahmad, chegou de Los Angeles e trouxe a Alexis, que trabalha com ele, e uma amiga dela. Eles passaram o final de semana em Salvador onde o Wagner se apresentou com o Pepeu Gomes em praça pública para milhares de pessoas. Eles abriram o show do Capital Inicial. Imagino que tenha sido emocionante tocar para tanta gente.

Ontem a Alexis e a amiga, Amber, que já tinham voltado da Bahia, me pediram para leva-las ao shopping. Só para chegar em São Paulo demorei umas 2 horas no trânsito. A Amber passou mal, precisei parar o carro. Isso porque ela mora em New York. Está acostumada com trânsito de cidade grande mas o de São Paulo a deixou indisposta.

Alexis tinha comprado jóias em uma joalheria de Salvador. Fomos em uma loja da mesma rede em São Paulo para que ela pudesse ajustar o anel e só então compreendemos que pelo fato dela ser amaericana ela não precisaria pagar as taxas e impostos imbutidos no valor da peça. Isso significou um desconto de 60%. Ou seja, ela pagou apenas 40% do preço cobrado a um brasileiro pela mesma jóia. Fabuloso!

Na volta pegamos mais trânsito, fiquei exausta de tanto dirigir... Ainda tive que levar Amber ao aeroporto. Ela foi embora antes. Alexis fica até sexta.

O mais importante a dizer

Amar é ter poucos assuntos para contar além do mais importante a dizer.
O mais importante a dizer?
Eu te amo!

29 de set de 2009

Cansaço

Hoje peguei horas e horas de trânsito, estou com bastante sono e o dia ainda não terminou...

28 de set de 2009

Mais que palavras

Às vezes escrevo bobagens, são apenas retratos de um instante que se dissipam no ar... Quando releio as palavras vejo que não são eternas, ainda que assim fiquem quando escritas, petrificadas no texto. Talvez as palavras sejam mesmo eternas, mas os sentimentos que as inspiram são efêmeros. Por outro lado, acredito demais nos sentimentos eternos que palavras não expressam ou explicam. Talvez pela própria efemeridade que carregam por serem ainda menores e pequenas que o que há de mais importante no mundo: o amor.

Não é verdade que o amor é líquido. A paixão pode ser, o interesse, a superficialidade que reveste alguns sentimentos. Mas o amor, o meu amor, aquele que sinto, quando sinto, é muito sólido, muito vivo, muito completo, muito profundo.

... Sempre cresce. É como árvore, é como o fogo, é como uma criança, é como cristal.

Criança também sente

No meu trabalho, na escola, é comum que algumas crianças comemorem o aniversário com os coleguinhas. As mães levam bolo, salgadinhos, docinhos e todos comemoram. Hoje vi que apenas um aluno, de 8 anos não estava batendo palmas durante o parabéns. Ele se isolou quietinho em um canto e foi suficiente ver esta imagem que me convidava para que eu me aproximasse. Ele me explicou que gostava da Suria, uma menininha de outra turma e que para ela tinha escrito uma carta de amor, mas achou que não estava tão boa, por isso a jogou na lixeira da sala de aula, mas assim que os coleguinhas viram passaram a provocá-lo. Ele não poderia ter me dito nada mais comovente que expressar esse seu amor tão puro. Fiz questão de valorizar a atitude bonita de escrever uma carta de amor e logo pensei no homem raro e sensível que ele poderia vir a ser no futuro. Temi que a experiência pudesse traumatizá-lo, entretanto logo vi que o seu isolamento espontâneo era mais uma forma de chamar a atenção do que uma mágoa verdadeira. Ele se dizia com muita "raiva" dos coleguinhas. Ouvi-lo dizer "raiva" com toda a "raiva" que seu olhar foi capaz de transmitir, foi bastante contrastante para mim... Eu acabara de ficar impressionada e surpresa com o doçura de um amor, sentimento belo, cristalino, brotando de um coração pueril... O mesmo coração agora mostrava-se do avesso, sentia o oposto. Assim somos todos, capazes de sentir os inversos. Ainda quero ajudar aquele aluno a lidar melhor com o que está sentindo pela primeira vez.

Amor Líquido

Em um dia você sente saudade,
No outro procura defeitos,
Sentir é mesmo uma caixa de segredos.

Em uma manhã qualquer
O que servia não serve mais
E fica faltando um pedaço
Uma explicação, tanto faz...

Relacionamento é frasco frágil
Com amor dentro
Hoje em dia o amor não é mais sólido
É líquido
Pode escorrer de pequenas rachaduras...

Leitura

Tudo que escrevo e sempre escrevi para você fica vazio sem seus olhos...

27 de set de 2009

Sono

Mesmo com tudo que eu queria dizer e contar, sobre o que sinto, vejo e presencio na minha vida, meus olhos fecham de tanto sono...

Equilíbrio fora de mim...

Onde está você agora?
Quando o meu coração o chama e meu corpo o pede?
Onde está você, mistério e transparência, do meu ser?
É com você que sei quem sou.
É com você que me reencontro comigo.
Você é meu equilíbrio.
Meu amado e meu amigo.
É para você que conto segredos.
É com você que eu fico.
É com você que se dissipam meus medos.
E é para voce que eu digo:
Amor!

25 de set de 2009

Poeira de Estrela

Meu coração, seguramente, é parte de uma estrela,
Com extremidades e brilhos que não se descrevem
Quem me vê pensa que sou alegre
Mas é o amor que me esconde
O amor que responde
Quando me perguntam quem sou.

Não tenho mais os mesmos medos
E longe de tudo eu me redescobri
Na coragem conheci o sossego
Dentro do perigo sorri.

Na aprendizagem cometi os erros
Na vida não busco perfeição
Precisaria de muitas linhas
Para contar os anseios do meu coração

Muitas letras que guardo,
Um pedaço do céu e uma canção.
Já conheço meu fardo
Renovar meu brilho
Fazer do amor um filho
E voltar a ser parte de uma constelação...

23 de set de 2009

É primavera...

Se fecharmos todas as janelas para nos aquecer do frio pode ser que fiquem embaçadas e nos impeçam de ver as cores e flores da primavera.

Clique aqui e deixe a janela da sua vida mais transparente para ver tudo de lindo que acontece do lado de fora!

Feliz Primavera!

Abandono

Você podia só me olhar
E o seu olhar encher o meu lugar de amor.
E eu juro te daria muita alegria, muita luz, muito encanto.

Mas se seu olhar desiste
Se abandona o canto em que estou debruçada
Se para outras linhas olha
E para elas sorri e persiste
Entre o tudo e o nada...

Pode ser meu amor,
Que seu sorriso fácil queira economizar-se
Pode ser, sonhador
Que esteja sonhando uma presença prometida
Enquanto só a ausência quer mostrar-se

Que vontade terei eu desse amanhã
Se hoje nem vem me confortar
Com abraços e beijos?
(mesmo que não possa recebe-los)

Que graça tem a noite
Se ainda vê o dia e não me encontra?

Se ainda vê o dia e nao me vê
É poque me perdi na noite escura em que me deixou só
Pode ser que enfim, em um novo amanhecer,
Possa reencontrar:
Seu olhar, nosso amor e você!

Deus

Ainda estou colocando coisas em ordem, tirando coisas do armário que estavam em desuso... Entre papéis perdidos e amarelados esquecidos em bolsas velhas encontrei uma frase que me tocou há muito tempo:

"O ser humano não pode conhecer Deus antes de aprender a serví-lo no templo de todas as almas humanas". (Paramhan Sayogananga)

Sempre acreditei em um Deus presente no leito de cada coracação humano. Deste Deus sou devota.

21 de set de 2009

O beijo

Tenho um beijo guardado
Ele é ridículo e doce
Ridículo porque se dá sem existir ainda
E doce porque se doa completamente e com vontade

Está guardado, por isso existe apenas reprimido no peito
Está sufocado e quase sofre de saudade
Mas o beijo, que acontece na boca, sorri
Porque ele ainda não existe
Mas quem ele quer beijar sim.

Amor e sexo

"Acredito que a maior tragédia do homem tenha ocorrido quando ele separou o amor do sexo. A partir de então, o ser humano passou a fazer muito sexo e nenhum amor. Não passamos do desejo, eis a verdade. Todo desejo, como tal, se frustra com a posse. A única coisa que dura além da vida e da morte é o amor". (Nelson Rodrigues)

19 de set de 2009

Impressões

Depois de passar 3 meses e 10 dias (mais ou menos) viajando, cheguei segunda-feira, dia 14 de setembro, no Brasil. Pousei no aeroporto da minha cidade, o mesmo em que embarquei no dia 2 de junho deste ano. O meu plano era ficar um mês e 10 dias. Fui para estudar, conhecer pessoas e passar um tempo com minha família(pais e irmãs) na Califórnia. Conforme os dias foram passando os planos foram mudando, eu me apeguei a uma nova vida que fui vivendo como se aquela fosse a que tivesse vivido desde sempre. As lembranças do Brasil já estavam ficando remotas e esfumaçadas, longinquas, distantes... Eu estava feliz, integrada a uma nova rotina. A idéia de voltar ao Brasil vinha acompanhadas de alegria, da excitação por voltar ao trabalho e poder rever as crianças que amo e que me sorriem todos os dias na escola. Em contrapartida eu já tinha aprendido a viver longe e compreendi que nós, humanos, somos sempre diferentes do que imaginamos. Temos a capacidade se surpreender nossas previsões de nós mesmos. Evidentemente eu não sabia quem eu era - continuo não sabendo - e tive atitudes muito diferentes da idéia que fazia de mim mesma. Descobri alguma independência e ousadia que somente dormiam no meu âmago. Conheci a possibilidade de cortar laços, de refazer outros e construir novos.

Quando voltei e passei a reencontrar as pessoas que amo percebi que, diferente do que imaginei, nada ou quase nada tinha mudado. Como se os três meses distantes fossem apenas o dia seguinte de quando me despedi. Eu trazia uma bagagem de experiência, vivências e parecia que o resto do mundo tinha vivido um único dia em muitos meses e eu, ao contrário, sentia ter vivido anos e anos, dentro daqueles meses. Depois repensei. Não se tratava do que tinha mudado ou continuado igual. Para todas aquelas pessoas muito tinha passado e acontecido, só qu eeu não estava presente, eu nao tinha participado de nada, por isso parecia o dia seginte. Nosso relacionamento tinha sido interrompido em um ponto e agora voltava àquele ponto para ser continuado. No vácuo entre um ponto e outro cada um preencheu como pôde, ou como quis.

Antes

Muitas vezes tenho a impressão de que escrevia melhor quando era antes, quando era ontem...

É como se tivesse desaprendido.

18 de set de 2009

Futuro feito de ontem

Sinto o seu amor chegar de longe e vir me abraçar
Quando não sinto preciso conversar sozinha.

Sinto um carinho sem toque
Que é música falada ao ouvido,
Ou voz e melodia tocada ao violão.

O que eu não sinto não olho
Prefiro sonhar com o que vai existir.

Crio o futuro com lembranças doces de um passado breve.
Recrio um mundo novo,
Que já vivi com você...

17 de set de 2009

Meu pai é uma lição de vida

Meu pai é uma história de vida. Leia aqui.

Tristeza

Sabe qual é uma das emoções que mais me pede para sair em palavras?
A tristeza.
Talvez o amor (e qualquer coisa que ele faça sentir junto, seja a alegria ou o medo) me peça ainda mais, entretanto, mesmo assim a tristeza justifica um texto.
Muitas vezes ela termina no ponto final, se esgota a medida que é exposta.
Tem dias que recebo telefonemas dos amigos que lêem o blog para saber como estou.
Vivo feliz, intercalada por pequenas baixas no espírito. Natural. Procuro entender que o amargo deixa o doce mais doce. A tristeza deixa a alegria mais alegre. Assim como escrever também me deixa mais feliz.

11 de set de 2009

As horas voam

Os ultimos dias sao sempre corridos. Por incrivel que pareca, depois de 3 meses, tem coisas que gostaria de fazer que ainda nao fiz. Nem terei tempo para fazer antes de ir embora.

Vou me despedir de Seattle na manha de domingo e chegarei no Brasil na manha de segunda.

Saudade do que esta la, saudade do que fica... Um pedaco meu em cada parte...

9 de set de 2009

Maravilhoso Rio de Janeiro

Acabei de ficar toda arrepiada e emocionada assistindo a esse video institucional do comite 2016 que mostra o Rio de Janeiro, nossos atletas e nosso povo!

Samba no Casamento americano


Aqui em Seattle acabei entrando em contato com americanos que adoram a cultura brasileira. Tenho amigos musicos que ouvem e tocam nossas musicas e amigas que fazem aula de samba. No casamento que estive neste final de semana teve ate uma apresentacao. Aproveitei para fazer essa foto!

Como ja tinha contado antes a festa toda aconteceu embaixo dessa linda e enorme arvore.

7 de set de 2009

Aprendizagem

Algumas coisas me irritam. Depois posso sentir que essas mesmas coisas me magoam... E se no inicio eu sabia falar delas com raiva, depois parece que so consigo falar delas segurando lagrimas. A longo prazo saberei falar rindo.
Por mais emocional que eu seja (e sempre fui) ainda estou em processo de aprendizagem sobre o que sinto...

Casamento embaixo da arvore

Ainda sem tempo para contar detalhes...
Fiquei ausente porque viajei para Oregon, um estado vizinho ao sul de Washington. La, na pequena cidade chamada Roseburg, presenciei um singelo casamento embaixo de uma imensa arvore de nozes decorada com velas. Eu nao sabia que as nozes nasciam em arvores de dentro de um fruto com aspecto muito parecido com um limao.
A viagem foi bem longa mas a festa foi bonita e especial.

4 de set de 2009

Jupiter e suas 4 luas em um jantar iluminado

Acabo de voltar de um jantar muito especial repleto de pessoas especiais. Quero ainda contar detalhes sobre o que aconteceu. Eu ate mesmo pude ver Jupiter e 4 luas em volta por um telescopio. Amanha viajo para Oregon para um casamento que acontecera no sabado. Penso que sera uma linda e singela cerimonia...

3 de set de 2009

Ar livre


Hoje (2/9/2009) conheci esse lindo lugar da cidade, que ainda nao conhecia... E ainda assisti a uma apresentacao de um pianista brasileiro talentosissimo, com essa vista de fundo...

Vivo

Quando escrevo menos e' porque vivo mais.

2 de set de 2009

Revelando o enigma

A foto abaixo, como revelado por "Altri discorsi" nos comentarios, e' de um reflexo do ceu em um lago.

1 de set de 2009

Qual o misterio da foto?

Voce consegue descobrir o que tem de estranho nesta foto? Ha' um misterio que te desafio a descobrir...

29 de ago de 2009

Desejo

Eu gostaria de ter algo a acrescentar de bonito e de bom todos os dias para escrever aqui. O que sinto, na verdade, e' que cada vez mais os dias tem ficado mais parecidos com uma vida e menos parecidos com uma viagem... Na viagens tudo e' mais intenso, na vida ha' tambem espaco para o tedio, para o ocio. Quando viajava costumava dizer a mim mesma que quando retornasse gostaria de viver a minha vida como uma viagem, observando tudo ao meu redor e querendo sugar o maximo de cada experiencia. Mas hoje, aqui, com a oportunidade que tenho, aprendi a valorizar tambem o descanso, o relaxar sem objetivo, sem pressa, isso tambem tem sua graca. As vezes a sede impede o paladar de sentir o gosto da bebida.

Semana passada, no culto em que participei muito se falou sobre o desejo, ou a renuncia do desejo. Uma vida sem desejo para aquela cultura seria uma vida mais sublime ou digna. Para mim o desejo e' divino, especialmente desejar o que ja se tem. Penso que Deus mora nesse desejo pelo que ja e' seu. Chamaria de amor esse sentimento. E' como continuar com sede mesmo depois de se hidratar. E' como ter fome, mesmo depois de comer, e' como continuar amando e desejando, mesmo quando ja se sente amado e desejado.

Minha viagem combina com esse sentimento de amor e desejo. Ainda em extase com as descobertas tenho "degustado" e apreciado cada sabor de tudo ja feito, com calma, vagarosamente, e diante de mim ainda um banquete esta servido e para ele uma vontade de come-lo que nao se esgotara com a fome saciada.

27 de ago de 2009

Mais um pouco de Las Vegas...

Esses videos foram gravados em Las Vegas e ainda nao tinha sido postados. Sao relativamente opostos. Um mostra a suntuosidade de ums dos hoteis-casino da cidade, outro mostra a natureza brilhando e encantando mesmo diante de tanta beleza produzida pelo homem.
video
video
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...